Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.101,99
    +1.088,52 (+1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.508,35
    -314,88 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.840,10
    -2,50 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    40.884,08
    -963,17 (-2,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    992,43
    -2,83 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.482,73
    -50,03 (-1,10%)
     
  • DOW JONES

    34.715,39
    -313,26 (-0,89%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    14.717,00
    -124,00 (-0,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1301
    -0,0373 (-0,60%)
     

Bolsonaro assina MP e libera R$ 4,1 bi para pagar auxílio emergencial

·1 min de leitura
***ARQUIVO***São Paulo, SP, Brasil, 17-09-2021: Auxílio Emergencial. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***São Paulo, SP, Brasil, 17-09-2021: Auxílio Emergencial. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PL) assinou Medida Provisória (MP) para ampliação do auxílio emergencial. A expectativa do governo brasileiro é que a MP beneficie 1,3 milhão de de famílias monoparentais —ou seja, que são chefiadas apenas por uma pessoa, no caso, homens— e abra crédito extraordinário de cerca de R$ 4,1 bilhões ao Ministério da Cidadania.

"Com a edição da MP, o Estado Brasileiro reitera seus esforços para garantir a oferta regular de serviços e programas voltados à população em geral, principalmente àquela mais vulneráveis, franqueando aos órgãos e agentes públicos o acesso a instrumentos capazes de mitigar os efeitos danosos da pandemia sobre a sociedade brasileira", justifica o governo.

Segundo a reportagem apurou, a medida é necessária para que o governo possa atender a uma determinação do próprio Congresso, que derrubou o veto do presidente Jair Bolsonaro, de julho do ano passado, que previa o pagamento de auxílio em dobro (cinco parcelas de R$ 1.200) para homens e mulheres chefes de famílias monoparentais (que só têm a mãe ou o pai).

Bolsonaro havia vetado o pagamento em dobro para pais e decidiu conceder o benefício apenas a famílias monoparentais de mulheres. Agora irá pagar para os pais (homens) também.

Mas, como o auxílio emergencial acabou, agora o governo irá pagar retroativamente para os pais que não receberam o benefício.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos