Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.043,43
    -4.774,81 (-8,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Bolsonaro apela a empresários para segurar preços dos alimentos

·1 min de leitura
Presidente Jair Bolsonaro pediu a empresários do setor supermercadista que não aumentem os preços dos alimentos
Presidente Jair Bolsonaro pediu a empresários do setor supermercadista que não aumentem os preços dos alimentos

O presidente Jair Bolsonaro pediu a empresários que segurem o preço dos alimentos. O apelo foi feito ontem (17) durante um encontro restrito com diversos setores econômicos do estado do Rio de Janeiro. O pedido foi relatado pelo senador Flávio Bolsonaro (Patriotas-RJ) em coletiva após o evento.

“Ele passou a mensagem de expectativas boas para o futuro. Fez um apelo ao setor, porque, obviamente, em função dessa grande injeção de recursos na economia, há uma tendência, em todo o mundo, de se aumentar a inflação. Em especial sobre itens de primeira necessidade. Daí fez menção ao setor supermercadista, onde está o arroz, o feijão, o ovo”, detalhou o senador.

Leia também:

Flávio Bolsonaro fez as declarações ao lado do presidente da Associação de Supermercados do Rio de Janeiro, Fábio Queiroz, que afirmou que apesar de reconhecer que o setor tem responsabilidade conjunta com o governo em segurar os preços, alertou que os produtores acabam se interessando mais pela venda ao mercado externo por conta do câmbio, que enfraquece o real.

“A alta do dólar é um convite muito grande à exportação e isso dá escassez de mercadoria no mercado interno, o que pressiona a inflação. Temos, todos nós, da cadeia produtiva e do abastecimento, junto com o governo, responsabilidade em segurar os preços”, disse o empresário.

O movimento Rio Produtivo, formado por 11 entidades econômicas do Rio de Janeiro, também fez pedidos ao presidente Bolsonaro, entre eles, a manutenção do auxílio emergencial à população e às empresas e a aceleração da vacinação para a retomada mais rápida da economia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos