Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,54
    +0,56 (+0,76%)
     
  • OURO

    1.749,70
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    43.135,25
    +355,11 (+0,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,84 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.307,00
    -11,75 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2559
    +0,0309 (+0,50%)
     

Bolsonaro ameaça pilares da democracia, diz Human Rights Watch

·2 minuto de leitura
O presidente Bolsonaro em cerimônia em Brasília

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro ameaça os pilares da democracia brasileira com seus constantes ataques e ameaças ao Supremo Tribunal Federal (STF) e com suas afirmações de que pode não haver eleições no ano que vem, caso não seja adotada a impressão do voto pela urna eletrônica, disse a entidade de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW) nesta quarta-feira.

Em relatório, a HRW cita os discursos feitos por Bolsonaro em manifestações no dia 7 de Setembro em Brasília e em São Paulo, nas quais afirmou que não cumpriria decisões do ministro Alexandre de Moraes, do STF, voltou a afirmar sem provas que o sistema eleitoral é passível de fraudes e disse que o presidente do Supremo, Luiz Fux, deve "enquadrar" seus colegas, ameaçando pôr fim a corte com uma ruptura.

"O presidente Bolsonaro, um apologista da ditadura militar no Brasil, está cada vez mais hostil ao sistema democrático de freios e contrapesos”, disse José Miguel Vivanco, diretor de Américas da Human Rights Watch, no relatório divulgado para marcar o Dia da Democracia, celebrado nesta quarta.

"Ele está usando uma mistura de insultos e ameaças para intimidar a Suprema Corte, responsável por conduzir as investigações sobre sua conduta, e com suas alegações infundadas de fraude eleitoral parece estar preparando as bases para tentar cancelar as eleições do próximo ano ou contestar a decisão da população se ele não for reeleito."

Os discursos de Bolsonaro no 7 de Setembro geraram forte reação, especialmente de Fux e do ministro Luís Roberto Barroso, do STF, atualmente na presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e também um dos alvos preferenciais dos ataques do presidente.

Diante disso, Bolsonaro divulgou nota em que baixou o tom de sua retórica inflamada contra as instituições e afirmou não ter tido a intenção de agredi-las.

Na terça-feira, o presidente disse durante discurso em evento em Brasília que a harmonia entre os Poderes é a "alegria do povo".

Vivanco, da HRW, afirmou que a comunidade internacional deve estar atenta a Bolsonaro diante das ameaças que ele faz à democracia brasileira.

"As ameaças do presidente Bolsonaro de cancelar as eleições e agir fora da Constituição em resposta às investigações contra ele são imprudentes e perigosas", disse. "A comunidade internacional deve mandar uma mensagem clara ao presidente Bolsonaro de que a independência do Judiciário significa que os tribunais não estão sujeitos as suas ordens", acrescentou.

Procurada, a Presidência da República não respondeu de imediato a pedidos de comentários sobre as declarações da Human Rights Watch.

(Reportagem de Eduardo Simões)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos