Mercado abrirá em 4 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    121.241,63
    +892,84 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.458,02
    +565,74 (+1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,52
    +0,16 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.837,30
    +7,40 (+0,40%)
     
  • BTC-USD

    37.118,79
    +677,06 (+1,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    732,09
    -3,05 (-0,42%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    29.625,37
    +762,60 (+2,64%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.928,50
    +126,25 (+0,99%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4118
    +0,0165 (+0,26%)
     

Bolsonaro afirma que não é possível perpetuar auxílio emergencial

Por Maria Carolina Marcello
·1 minuto de leitura
Pessoas esperam em fila para sacar auxílio emergencial em agência da Caixa

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira que não é possível "perpetuar" benefícios concedidos à população por conta da pandemia do novo coronavírus e acrescentou que é necessário definir a situação.

"Temos internamente os nossos problemas. Ajudamos o povo do Brasil com alguns projetos por ocasião da pandemia. Alguns querem perpetuar tais benefícios. Ninguém vive dessa forma", disse Bolsonaro em discurso ao visitar obras da Ponte da Integração Brasil-Paraguai, em Foz do Iguaçu.

"Temos que ter a coragem para tomar decisões. Pior do que uma decisão até mesmo mal tomada é uma indecisão. Nós temos que decidir. Nós temos que operar pelo nosso povo, pelo nosso país", acrescentou o presidente.

Há uma semana, em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, Bolsonaro não descartou uma nova prorrogação do auxílio emergencial.

Aprovada pelo Congresso em março, a renda emergencial de 600 reais mensais aos chamados vulneráveis durante a crise do coronavírus foi paga pelo governo federal por três meses.

Depois, em setembro, o governo editou uma medida provisória que prorroga o auxílio até dezembro deste ano, mas em parcelas no valor de 300 reais.

Publicamente, o presidente sempre tem chamado a atenção para o impacto da ajuda nas contas públicas brasileiras e alertado que um dia esse suporte vai ter fim.