Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.821,73
    +666,99 (+1,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Bolsonaro admite reformas travadas e diz que Congresso não quer ser acusado de tirar direitos em ano eleitoral

·2 min de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 13.12.2021 - O presidente Jair Bolsonaro (PL) participa de evento em comemoração ao Dia do Forró, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 13.12.2021 - O presidente Jair Bolsonaro (PL) participa de evento em comemoração ao Dia do Forró, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PL) reconheceu nesta segunda-feira (10) que as reformas do governo não devem tramitar no Congresso neste ano por conta das eleições que ocorrem em outubro. Na avaliação de Bolsonaro, deputados e senadores não estariam dispostos "a pagar um preço" para votar mudanças estruturais às vésperas do pleito.

" [Anos eleitorais] são anos difíceis, não tem negociação. O parlamentar, no final das contas, ele vê onde é que ele vai pagar o preço com aquele voto contrário ou favorável à tal proposta", disse em em entrevista à TV Jovem Pan.

O mandatário também comentou que "gostaria que a reforma administrativa avançasse", mas ponderou que "o parlamentar não quer concorrer à reeleição sendo acusado de ter tirado algum direito, seja lá o que for, por parte dos servidores".

Originalmente apresentada pelo governo Bolsonaro para endurecer as regras do funcionalismo, a reforma administrativa foi aprovada por uma comissão especial da Câmara no final de setembro, mas ainda não foi pautada no plenário da Câmara por não haver votos suficientes entre a maioria dos deputados.

O próprio presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), já reclamou da falta de esforço do governo para aprovação do texto.

A proposta em discussão acabou por manter previsão de estabilidade a todos os servidores, ainda que com possibilidade de demissão por desempenho insuficiente, e com dispositivo que estipula corte de salário em até 25% em caso de crise fiscal.

A PEC precisa do apoio mínimo de 308 dos 513 parlamentares, em votação em dois turnos, para ser aprovada. Se passar, o texto irá ao Senado. Lá são necessários os votos de 49 dos 81 congressistas, também em votação de dois turnos.

Além dos pontos controversos, a proximidade das eleições tem afastado a possibilidade de votação da proposta.

Em todo ano eleitoral, é comum o Congresso se esvaziar. É o chamado "recesso branco", que ocorre quando os parlamentares vão para as bases cuidar de campanhas. O movimento, contudo, se dá de forma mais comum no segundo semestre do ano eleitoral. Desta vez, a corrida foi antecipada.

Líderes dos partidos da base governista no Congresso confirmam que não há uma agenda de prioridades para 2022. A última medida significativa aprovada foi a PEC (proposta de emenda à Constituição) dos Precatórios, que abre espaço orçamentário para o Auxílio Brasil de R$ 400.

De um modo geral, os parlamentares dizem que a ideia é focar nas votações de menor monta neste ano. Assim como no Palácio do Planalto, o foco na Câmara e em parte do Senado é a tentativa de reeleição dos próprios congressistas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos