Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.774,57
    -1.140,88 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,70
    -0,48 (-0,73%)
     
  • OURO

    1.784,20
    +7,70 (+0,43%)
     
  • BTC-USD

    57.052,80
    -143,71 (-0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.442,71
    -26,37 (-1,79%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.168,68
    +109,23 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    15.866,25
    -284,25 (-1,76%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4471
    +0,0771 (+1,21%)
     

Bolsonaro acusado de crimes contra humanidade é destaque na imprensa estrangeira

·3 min de leitura
Protesto contra Bolsonaro em Brasília, nesta terça
Protesto contra Bolsonaro em Brasília, nesta terça; relatório da CPI acusa presidente de nove crimes

A acusação de crimes contra a humanidade, um dos nove crimes pelo qual o presidente Jair Bolsonaro foi acusado, nesta quarta-feira (20/10), pelo relatório final da CPI da Covid no Senado, foi o principal destaque da cobertura da imprensa internacional sobre o caso.

O jornal americano The New York Times, que noticiou a conclusão da CPI em seus principais boletins noticiosos, reportou que "Líder brasileiro é acusado de crimes contra a humanidade na resposta à pandemia", apontando que a CPI concluiu que Bolsonaro "intencionalmente deixou o coronavírus se alastrar pelo país e matar centenas de milhares de pessoas em uma aposta fracassada de atingir imunidade de rebanho e reviver a maior economia da América Latina".

O presidente negou as acusações nesta quarta-feira. "Nós sabemos que não temos culpa de absolutamente nada. Sabemos que fizemos a coisa certa desde o primeiro momento", declarou Bolsonaro em evento no Ceará.

Na Inglaterra, o jornal The Guardian destacou o Brasil em sua manchete principal, que dizia: "Bolsonaro deve ser indiciado por crimes contra a humanidade, aponta investigação sobre covid".

Ao todo, o presidente brasileiro foi acusado de nove crimes pelo relatório da CPI: epidemia, charlatanismo, incitação ao crime, falsificação de documentos, uso irregular de verbas públicas, prevaricação, violação de direito social, crime de responsabilidade e crimes contra a humanidade.

O relatório do senador Renan Calheiros (MDB-AL) sugere o indiciamento do presidente da República e de outras 65 pessoas - incluindo ministros, ex-ministros e filhos de Bolsonaro - e duas empresas.

"A comissão que analisou a gestão da crise sanitária aponta o mandatário como responsável pela disseminação do vírus no país, o mais afetado do continente", noticiou o jornal argentino La Nación.

Senador Renan Calheiros durante a leitura do relatório final da CPI da Covid, nesta quarta
Senador Renan Calheiros durante a leitura do relatório final da CPI da Covid, nesta quarta; conclusão virou manchete na imprensa internacional

O jornal francês Le Monde afirmou, porém, que as "acusações sérias" devem ter "um alcance mais simbólico, (uma vez que) o presidente de extrema direita conta com um apoio do Parlamento capaz de impedir a abertura de um processo de impeachment. Da mesma forma, o procurador-geral da República, Augusto Aras, aliado de Bolsonaro, pode bloquear qualquer indiciamento (contra o presidente)."

Na mesma linha, o jornal americano Miami Herald republicou texto da agência Bloomberg destacando que a conclusão da investigação do Senado "provavelmente não terá impacto de curto prazo no destino político do presidente".

O periódico alemão Der Spiegel também chamou atenção para a acusação de crimes contra a humanidade, apontando que "o relatório levanta sérias acusações contra o populista de direita".

Destacando a relativa blindagem com a qual Bolsonaro conta no Congresso e na Procuradoria-Geral da República, o jornal alemão afirmou que, "mesmo assim, o relatório pode prejudicar politicamente o presidente, que se candidatará à reeleição no próximo ano".

A rede Al Jazeera também reportou sobre a conclusão da CPI brasileira, afirmando que "o inquérito começou em abril alegando que Bolsonaro declinou oportunidades, no início da pandemia, de adquirir vacinas - atrasando a campanha de imunização brasileira, com um custo de 95 mil vidas (uma estimativa feita durante o depoimento do epidemiologista Pedro Hallal à comissão, em junho). O inquérito foi marcado por depoimentos emocionantes de testemunhas e revelações assustadoras".

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos