Mercado abrirá em 3 h 15 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,53
    +0,52 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.795,20
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    16.831,45
    +30,20 (+0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,34
    -6,70 (-1,67%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.483,28
    -5,91 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.532,00
    +22,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4745
    +0,0081 (+0,15%)
     

Bolsonarismo continua no Brasil para além da eleição

(Bloomberg) -- A influência do presidente Jair Bolsonaro na política brasileira permanecerá forte no futuro, independentemente do resultado do segundo turno em 30 de outubro, depois que muitos de seus aliados venceram disputas importantes no Congresso e nos estados.

Os partidos de direita e de centro que apoiam o presidente agora respondem por cerca de 60% da Câmara dos Deputados e Bolsonaro também elegeu vários ex-membros de seu gabinete para o Senado. Isso garante ao presidente grande influência no Congresso após um desempenho mais forte do que o esperado nas eleições no domingo.

Mesmo que seu adversário Luiz Inácio Lula da Silva, de 76 anos, vença o segundo turno, o presidente e o bolsonarismo podem dificultar a aprovação de reformas pelo próximo governo ou a nomeação de membros no Supremo Tribunal Federal. Os ativos brasileiros reagiram positivamente na manhã de segunda-feira na suposição de que, em caso de vitória, Lula irá se mover em direção ao centro e priorizar políticas amigáveis aos mercados.

“O desempenho acima do esperado de Jair Bolsonaro na eleição de domingo pode levar o presidente a suavizar sua retórica e seu concorrente, Luiz Inácio Lula da Silva, a adotar uma agenda mais pró-mercado para conquistar eleitores moderados antes do segundo turno. Os mercados provavelmente receberão bem essas mudanças”, disse Adriana Dupita, economista para a América Latina da Bloomberg Economics.

Na Câmara, o Partido Liberal que apoia Bolsonaro agora tem o maior número de parlamentares depois de somar 19 novos integrantes, segundo dados preliminares do Tribunal Superior Eleitoral. Embora o PL tradicionalmente apoie quem governa o país, muitos de seus membros que conseguiram cadeiras na eleição de domingo estão alinhados ideologicamente com o presidente.

Bolsonaro, de 67 anos, também se beneficiou de um forte desempenho nas eleições locais, com seus aliados vencendo em oito dos 27 estados, incluindo o Rio de Janeiro, e outros seis na disputa para o segundo turno. Nesta situação está São Paulo, estado mais rico do país, onde Tarcísio de Freitas, um de seus conselheiros mais próximos, ruma para o segundo turno à frente do petista Fernando Haddad. Controlar alguns dos principais estados brasileiros dará um impulso ao presidente enquanto ele planeja sua campanha para enfrentar Lula no segundo turno.

No total, Bolsonaro obteve mais de 51 milhões de votos no domingo, ou 43% dos votos válidos contra 48% de Lula. Seus três filhos permanecem com cargos, com Flávio Bolsonaro como senador e Carlos Bolsonaro vereador pelo Rio. E mesmo depois de obter menos da metade dos votos que recebeu em 2018, Eduardo Bolsonaro foi reeleito deputado federal por São Paulo.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.