Mercado abrirá em 7 h 23 min

Bolsas de NY registram novas máximas antes do feriado de Ação de Graças

Gabriel Roca

O Dow Jones encerrou o dia aos 28.164,00 pontos, enquanto o S&P 500 avançou para 3.153,63 pontos e o índice eletrônico Nasdaq fechou com a marca de 8.705,18 pontos O rali das ações em Wall Street teve sequência nesta quarta-feira (27), fazendo com que os principais índices acionários em Nova York registrassem novas máximas históricas pela terceira vez seguida na semana. Os investidores voltaram a ampliar a demanda por risco com sinais positivos nas negociações entre Estados Unidos e China e com dados econômicos que apontaram que a economia americana continua saudável.

Amanhã, não haverá sessão de negócios em Nova York devido ao feriado do dia de Ação de Graças e, na sexta-feira (29), a sessão será reduzida, com fechamento às 15h (de Brasília).

Na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse) o Dow Jones encerrou o dia com ganhos de 0,15%, aos 28.164,00 pontos, enquanto o S&P 500 avançou 0,42%, para 3.153,63 pontos. O índice eletrônico Nasdaq terminou o pregão em alta de 0,66%, aos 8.705,18 pontos.

Na terça (26), Trump alimentou esperanças de que as negociações possam estar avançando entre as duas maiores economias do mundo, ao afirmar que os EUA e a China estavam ajustando os "problemas finais de um acordo muito importante".

No entanto, o presidente americano também demonstrou apoio a partidos pró-democracia em Hong Kong em seus comentários feitos a repórteres reunidos na Casa Branca. Trump já havia reconhecido que os protestos em Hong Kong são um "fator complicador" nas negociações com os chineses e ainda não se comprometeu a assinar um projeto de lei aprovado pelo Congresso em apoio aos manifestantes.

"A posição de Hong Kong pelos EUA torna um acordo menos provável a curto prazo", disse Oliver Jones, economista da consultoria Capital Economics.

Efeito PIB

Se as disputas comerciais com a China seguem sendo um fator de volatilidade para os investidores, o desempenho da economia dos Estados Unidos deu mais uma evidência, nesta quarta, que se mantém forte. Os dados apontaram que o PIB americano cresceu a uma taxa anual de 2,1% no terceiro trimestre, ajustado pela sazonalidade e pela inflação, acima da leitura preliminar de 1,9%. A melhora deveu-se, em parte, a revisões ascendentes no investimento fixo residencial e nas exportações, de acordo com o Departamento de Comércio.

Já as encomendas de bens duráveis subiram 0,6% na margem em outubro, muito acima das expectativas do mercado, que eram de retração de 1,0%. Além disso, os gastos com consumo pessoal, ou gastos das famílias, aumentaram 0,3% em outubro em relação a setembro.

Destaques

Dentre os 11 setores do S&P 500, dez encerraram o dia com ganhos, com destaque para o setor de consumo discricionário, impulsionado pelos dados positivos da economia. O único segmento a apresentar retração foi o industrial (-0,18%), pressionado pelas ações da Boeing, da Deere e da Caterpillar.

A fabricante de aviões fechou o dia com desvalorização de 1,48% — maior perda do Dow Jones —, após relatos de que os reguladores dos EUA planejam realizar análises individuais dos novos aviões 737 Max, enquanto os reguladores da Europa e do Oriente Médio planejam fazer o mesmo com o novo 777X.

As ações da Deere caíram 4,30%, após a fabricante de equipamentos agrícolas ter projetado uma queda nas vendas em seus segmentos de agricultura e construção no ano fiscal de 2020, uma vez que as tensões comerciais persistentes tornaram os agricultores mais relutantes em investir em novas máquinas. Os papéis da Caterpillar seguiram a tendência de queda e fecharam em baixa de 0,27%.