Mercado abrirá em 6 h 36 min

Bolsas de NY operam em leve alta à espera do discurso de Trump

Gabriel Roca

Nasdaq chegou a registrar nova máxima histórica intradiária com expectativa de que disputa entre EUA e Irã não resulte em conflito amplo e direto no Oriente Médio Os índices acionários em Nova York iniciaram a sessão desta quarta-feira próximos da estabilidade, oscilando entre perdas e ganhos, com os investidores aguardando o discurso do presidente dos EUA, Donald Trump. Perto do meio-dia, porém, firmaram-se em leve alta.

O presidente dos Estados Unidos fará uma declaração na Casa Branca às 13h (de Brasília), após o Irã ter bombardeado bases iraquianas que hospedavam tropas americanas como retaliação à morte do general Qassem Soleimani, ocorrida na semana passada.

Por volta das 12h, na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse), o Dow Jones subia 0,12%, aos 28.619,27 pontos, enquanto o S&P 500 avançava 0,22%, aos 3.244,27 pontos. O índice Nasdaq subia 0,37%, para 9.102,16 pontos. Em seu maior nível na sessão, tocou os 9.103,75 pontos, acima de seu recorde anterior, anotado em 2 de janeiro, de 9.093,43 pontos.

Os participantes do mercado esperam majoritariamente que a disputa entre EUA e Irã não venha a se transformar em um conflito amplo e direto entre os países no Oriente Médio. Por isso, a reação nos preços dos ativos tem se mostrado contida.

"A geopolítica se torna ruído para os mercados até que se torne mais grave", disse Kit Juckes, macro estrategista do Société Générale. "Essa visão é fruto da experiência - a história diz que costumamos evitar grandes escaladas."

A maior queda setorial do S&P 500 era observada no segmento de energia, em linha com o recuo nos preços do petróleo no mercado internacional.

Por outro lado, as empresas do setor financeiro são as que mais avançam na sessão. As companhias financeiras foram beneficiadas pela recuperação nos rendimentos dos Treasuries, que zeraram a queda que apresentavam no início do pregão após os dados fortes de criação de empregos nos Estados Unidos.

Dentro do Dow Jones, as ações da Walgreens recuavam mais de 6% e lideravam as perdas do índice após a companhia ter reportado resultados trimestrais abaixo da expectativa dos analistas. Os papéis da Boeing, que no pré-mercado já operavam em queda, caíam cerca de 2% no fim da manhã, segunda maior queda entre os 30 componentes do índice de blue chips.