Bolsas de NY fecham perto da estabilidade após Bernanke

O mercado norte-americano de ações oscilou durante o dia, com períodos de alta e baixa, chegando a atingir o nível mínimo após o discurso do presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, fazer ressurgir preocupações com o "abismo fiscal". No fim do dia, os índices se recuperaram e fecharam próximos à estabilidade.

O principal índice de ações do mercado americano, o Dow Jones, foi o único que fechou ligeiramente em território negativo, em 12.788,51, registrando perda de 7,45 pontos (0,06%). O S&P-500 fechou em alta de 0,93 ponto (0,07%), em 1.387,82 pontos. O Nasdaq ganhou 0,61 ponto (0,02%), fechando em 2.916,68 pontos.

Bernanke alertou hoje que o Fed não tem poder suficiente para, sozinho, eliminar os impactos do "abismo fiscal" - o acionamento automático de aumentos de impostos e cortes de gastos no Ano Novo. A afirmação fez com que os investidores voltassem a se preocupar com a falta de um acordo que evite o pacote de medidas a tempo. O presidente do Fed enfatizou que os parlamentares precisam encontrar formas de colocar o orçamento dos EUA numa trajetória sustentável e alertou que a economia poderá mergulhar numa recessão se as autoridades não encontrarem uma forma de evitar o abismo fiscal. "Evitar uma súbita e severa contração na política fiscal no começo do próximo ano vai dar suporte à transição da economia de volta ao pleno emprego; uma economia mais forte irá, por sua vez, reduzir o déficit e contribuir para alcançar a sustentabilidade fiscal no longo prazo", defendeu Bernanke.

Os dados positivos sobre os imóveis americanos não foram suficientes para levantar o mercado. O número de obras iniciadas de imóveis residenciais nos EUA subiu 3,6% em outubro, na comparação com setembro, para a média anual sazonalmente ajustada de 894 mil, segundo informou hoje o Departamento do Comércio. A alta contrariou a previsão dos economistas ouvidos pela Dow Jones, de retração de 4,5%, para a taxa anual ajustada sazonalmente de 833 mil. Em relação a outubro do ano passado, as obras aumentaram 41,9%. A leitura marcou a taxa mais alta desde julho de 2008, antes da crise financeira.

A Hewlett-Packard pressionou a queda dos índices, perdendo 12% após anunciar hoje que teve prejuízo de US$ 6,9 milhões (US$ 3,49 por ação) em seu quarto trimestre fiscal, encerrado em 31 de outubro, em consequência de uma baixa contábil inesperada ligada à aquisição da produtora de software Autonomy no ano passado. As informações são da Dow Jones.

Carregando...