Bolsas de NY fecham em alta por dados positivos nos EUA

As Bolsas de Nova York fecharam em alta nesta quinta-feira animadas pela melhora acima do esperado nos pedidos semanais de auxílio-desemprego e novas construções de moradias nos Estados Unidos, além da notícia de que o Banco do Japão (BoJ) está discutindo novas medidas para estimular a economia do país. Os índices acentuaram as altas após o presidente do Comitê de Orçamento da Câmara dos EUA, deputado Paul Ryan, do Partido Republicano, dizer que sua legenda discute o apoio a uma elevação de curto prazo no limite legal de endividamento do governo.

O índice Dow Jones avançou 84 pontos (0,63%) e fechou a 13.596,02 pontos. O S&P 500 ganhou 8 pontos (0,56%), finalizando a 1.480,94 pontos. E o Nasdaq subiu 18 pontos (0,59%), encerrando aos 3.136 pontos.

No final da tarde, o índice Dow Jones chegou a subir para 13.625 pontos, superando o nível de fechamento mais alto dos últimos cinco anos, de 13.610 pontos, alcançado em 5 de outubro de 2012.

As construções de moradias iniciadas nos EUA subiram 12,1% em dezembro, na comparação com novembro, para a taxa anual sazonalmente ajustada de 954 mil. Ante dezembro de 2011, as construções de moradias iniciadas subiram 36,9%. Economistas previam alta para 890 mil unidades em dezembro, o que corresponderia a um acréscimo de 3,4% ante o dado original de novembro.

O número de trabalhadores norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego caiu 37 mil, para 335 mil, após ajustes sazonais, na semana até 12 de setembro. A leitura marcou o menor nível dos pedidos desde o início de 2008 - antes do auge da crise financeira. Em 19 de janeiro de 2008, as solicitações somaram 318 mil. Economistas esperavam queda de 1 mil pedidos, para 370 mil. As informações são da Dow Jones.

Carregando...