Bolsas de NY caem por OCDE e 'abismo fiscal'

As Bolsas de Nova York fecharam em queda nesta terça-feira, pressionadas pelos receios com o chamado "abismo fiscal" nos Estados Unidos, após o líder da maioria no Senado, o democrata Harry Reid, afirmar que houve pouco progresso nas negociações. O humor dos investidores também foi pressionado pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), que cortou as projeções de crescimento para seus 34 membros.

O índice Dow Jones perdeu 89,24 pontos (0,69%), fechando a 12.878,13 pontos. O Nasdaq recuou 8,99 pontos (0,30%) e terminou a 2.967,79 pontos. E o S&P 500 teve retração de 7,35 pontos (0,52%), finalizando a 1.398,94 pontos.

Segundo a OCDE, assumindo que os piores riscos para a economia global não se concretizem, o Produto Interno Bruto (PIB) combinado de seus 34 países membros deve crescer 1,4% no próximo ano e 2,3% em 2014. Em maio, a previsão de crescimento da organização foi de 1,6% e 2,2%, respectivamente.

Entre os indicadores divulgados nos EUA, dois do setor imobiliário, o índice de preços das moradias da FHFA e o índice de preços em 20 metrópoles da S&P/Case-Shiller registraram melhora em setembro, mas vieram abaixo das estimativas dos analistas ouvidos pela Dow Jones. Os outros dados foram bons. O índice de atividade do setor industrial do Fed de Richmond subiu para 9 em novembro; o índice de confiança do consumidor norte-americano, medido pelo Conference Board, subiu para 73,7 em novembro, o nível mais alto desde fevereiro de 2008; e as encomendas de bens duráveis ficaram estáveis em outubro.

Enquanto isso, o líder da maioria no Senado disse mais cedo que houve "pouco progresso" nas negociações para a resolução do "abismo fiscal" - uma série de cortes de gastos e aumentos de impostos automáticos que entrarão em vigor no começo do ano que vem caso não haja acordo no Congresso. Reid e a Casa Branca buscam um aumento do teto da dívida como parte do acordo. Mas o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, negou que as negociações tenham chegado a um impasse. Segundo ele, qualquer afirmação de que as conversas tenham "desanimado" é "errada".

Já o presidente do Federal Reserve Bank de Dallas, Richard Fisher, alertou que uma eventual solução temporária para o "horrível" déficit fiscal dos EUA, que não deixe claro para as empresas as políticas fiscal e regulatória do país, pode ter efeitos destrutivos para a economia norte-americana.

Na Europa, após quase 13 horas de reunião, os credores oficiais da Grécia chegaram nesta madrugada a um acordo para reduzir a dívida do país ao nível sustentável de 110% do PIB até 2022. Esse acordo inclui uma extensão dos vencimentos dos empréstimos internacionais, um corte nas taxas de juros que o governo grego está pagando sobre os empréstimos e uma recompra de dívida. Porém, uma das questões mais importantes para a Grécia, que é o recebimento da próxima parcela de ajuda internacional, continuou sem resposta. O acordo abriu caminho para que a Grécia receba 43,7 bilhões de euros - 34,4 bilhões de euros em dezembro e o restante no primeiro trimestre de 2013. No entanto, o Eurogrupo alertou que isso dependerá da implementação pela Grécia das determinações da troica, incluindo a realização de uma reforma fiscal até janeiro.

No noticiário corporativo, o fundador da Autonomy, Mike Lynch, pediu que a Hewllet-Packard especifique as acusações de fraudes contábeis contra ex-executivos da companhia de software adquirida em outubro de 2011 por US$ 11 bilhões pela gigante de tecnologia. A HP respondeu que o assunto está nas mãos das autoridades e que a empresa irá deixar os órgãos competentes agirem com Lynch da maneira que entenderem. As ações da HP perderam 2,98%.

Já os papéis da ConAgra Foods avançaram 4,74%, após a companhia anunciar que vai comprar a Ralcorp por US$ 5 bilhões.

Os destaques de alta entre os componentes do índice Dow Jones incluem Dow Chemical, com ganho de 0,41%, e Occidental Petroleum, que registrou valorização de 0,32%.

Na outra ponta aparecem American Express, com queda de 2,24%, e Goldman Sachs, com perda de 2,09%. As informações são da Dow Jones.

cotações recentes

 
Cotações recentes
Símbolo Preço Variação % Var 
Seus tickers vistos mais recentemente aparecerão aqui automaticamente se você digitou um ticker no campo "Inserir símbolo/empresa" na parte inferior deste módulo.
É necessário permitir os cookies do seu navegador para ver as cotações mais recentes.
 
Entre para ver as cotações nos seus portfólios.

Resumo do Mercado

  • Moedas
    Moedas
    NomePreçoVariação% Variação
    3,26450,000,00%
    USDBRL=X
    3,6547-0,0002-0,01%
    EURBRL=X
    0,8929+0,0001+0,01%
    USDEUR=X
  • Commodities
    Commodities
    NomePreçoVariação% Variação

Destaques do Mercado

  • Líderes em Volume
    Líderes em Volume
    NomePreçoVariação% Variação
    12,55+0,02+0,16%
    PETR4.SA
    3,58+0,22+6,55%
    USIM5.SA
    3,67+0,05+1,38%
    GOAU4.SA
    15,07-0,34-2,21%
    VALE5.SA
    8,58+0,08+0,94%
    ITSA4.SA
  • Altas %
    Altas %
    NomePreçoVariação% Variação
    1,67+0,37+28,46%
    PSVM11.SA
    37,50+7,50+25,00%
    CBEE3.SA
    5,00+0,94+23,15%
    ENGI3.SA
    3,59+0,59+19,67%
    OIBR3.SA
    2,37+0,27+12,86%
    OIBR4.SA
  • Baixas %
    Baixas %
    NomePreçoVariação% Variação
    33,11-6,76-16,96%
    BAZA3.SA
    2,20-0,21-8,71%
    MWET4.SA
    1,79-0,17-8,67%
    CTSA4.SA
    2,25-0,19-7,79%
    HAGA4.SA
    2,53-0,16-5,95%
    VIVR3.SA