Mercado fechará em 52 mins

Bolsas de Nova York fecham sem direção única após novos casos de covid-19

Rafael Vazquez e André Mizutani

O Dow Jones e o S&P 500 oscilaram bastante em torno da estabilidade, enquanto o Nasdaq ficou do lado positivo As bolsas de Nova York perderam o gás nesta quarta-feira (17) e fecharam sem direção única, depois de uma sessão instável na qual os índices Dow Jones e S&P 500 oscilaram bastante em torno da estabilidade, enquanto o Nasdaq ficou do lado positivo sem força para retomar os 10 mil pontos atingidos pela primeira vez na história na semana passada.

O Dow Jones encerrou a sessão com queda de 0,65%, a 26.119,61 pontos, e o S&P 500 caiu 0,36%, a 3.113,49 pontos, interrompendo a sequência de três altas desde a última sexta-feira (12), que sucedeu a queda abrupta de mais de 5% da quinta-feira passada. Já o Nasdaq, ajudado por ganhos de 2,67% nas ações da Netflix, fechou em alta de 0,15%, a 9.910,53, mas perdeu força depois de atingir a máxima intradiária de 9.991,21 pontos.

No cenário, o impulso dado pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) na segunda-feira (15), quando disse que comprará títulos corporativos individuais e não somente fundos negociados em bolsa (ETFs), começou a se dissipar no sentimento dos investidores, que começam a prestar mais atenção nos alertas do presidente da autoridade monetária, Jerome Powell, sobre a incerteza persistente no cenário econômico e um período mais longo do que o desejado para a recuperação. A percepção foi exposta tanto ontem, no Senado, quanto nesta quarta, no depoimento de Powell na Câmara dos Deputados dos EUA.

Também começam a preocupar cada vez mais o ressurgimento de infecções por covid-19 na China e nos EUA. Vários Estados americanos continuam mostrando uma aceleração do número de novos casos. Seis deles — Arizona, Flórida, Oklahoma, Oregon, Texas e Nevada — anunciaram, ontem, o maior número de casos em um único dia. As hospitalizações também continuam a subir, alimentando os receios com a possibilidade de uma nova paralisação da atividade econômica.

Porém, o que tem chamado mais a atenção é a elevação do nível de alerta contra o novo coronavírus em Pequim, onde as autoridades voltaram a fechar escolas, orientaram os moradores a não viajarem e cancelaram voos para dentro e para fora da cidade. Também foram isolados ao menos 30 bairros na cidade.

"Os mercados continuaram em alta no Reino Unido, na maior parte da Europa continental e na Ásia após a forte sessão de ontem", escreveu em nota Russ Mold, da A.J. Sino, segundo a Dow Jones Newswires. "No entanto, a sustentabilidade do rali é incerta, dada uma segunda onda de coronavírus na China. Qualquer evidência de que Pequim não consiga controlar a situação seria muito negativa."

As notícias de que um medicamento esteroide existente pode ajudar a tratar pacientes graves de coronavírus até ajudam a manter o sentimento positivo nos mercados de ações. Mas o remédio é uma opção mais para casos graves e não anula os riscos de contaminações que podem vir a forçar novas paralisações na atividade econômica, se os casos voltarem a crescer muito.

No noticiário corporativo, as ações da operadora de cruzeiros Norwegian Cruise Line Holdings caíram 8,40% na Bolsa de Nova York (Nyse) na sessão de hoje, depois que a empresa informou que estenderá a suspensão de viagens até outubro, por causa da pandemia de covid-19.

Outras operadoras de cruzeiros sofreram perdas no embalo. As ações da Carnival também caíram 6,51% e as da Royal Caribbean desvalorizaram 7,15%.