Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.004,85
    -43,44 (-0,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Bolsas globais derretem com segunda onda de coronavírus

JÚLIA MOURA
·3 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL - 09-05-2015 - BM & F Bovespa Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Diego Padgurschi /Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL - 09-05-2015 - BM & F Bovespa Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Diego Padgurschi /Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Bolsa brasileira tombou 4,25% nesta quarta-feira (28), a 95.368 pontos, com a segunda onda de coronavírus na Europa. Esta é a maior queda diária do Ibovespa desde abril.

O dólar subiu 1,44%, a R$ 5,7650, maior valor desde maio, quando foi ao recorde de R$ 5,90. O turismo está a R$ 5,903.

A moeda chegou a R$ 5,7930 na máxima do dia, mas perdeu força com atuação do Banco Central, que vendeu US$ 1,04 bilhões à vista.

O mercado local refletiu a aversão a risco no exterior, com o aumento de casos de coronavírus na Europa.

Nesta quarta, a Alemanha anunciou que terá um lockdown emergencial de um mês que inclui o fechamento de restaurantes, academias de ginástica e teatros para reverter um pico de casos de coronavírus que pode sobrecarregar os hospitais.

A partir de 2 de novembro, reuniões particulares serão limitadas a dez pessoas de no máximo duas casas. Restaurantes, bares, teatros, cinemas, piscinas e academias de ginástica serão fechadas, e shows serão cancelados.

Mas escolas e creches permanecerão abertos, assim como lojas, contanto que respeitem o distanciamento social e regras de higiene.

Para tornar as medidas mais palatáveis, especialmente para empresas menores, a Alemanha oferecerá ajuda financeira para aqueles que forem prejudicados pela novas restrições.

Conforme um novo pacote de ajuda equivalente a US$ 11,82 bilhões, empresas com até 50 funcionários receberão no mês de novembro 75% da sua renda do mesmo período do ano anterior.

Além disso, trabalhadores autônomos, como artistas e assistentes de palco, terão acesso a empréstimos de emergência, e o governo ampliará um programa de liquidação existente para dar às pequenas empresas com menos de 10 funcionários acesso a empréstimos muito baratos.

No país, os casos aumentaram em 14.964 e chegaram a 464.239 nas últimas 24 horas, segundo a agência de doenças infecciosas alemã.. As mortes aumentaram em 85 e chegaram a 10.183.

A França também anunciou novas restrições nesta quarta, com um novo lockdown nacional, que se inicia na sexta (30), irá permanecer em vigor até 1º de dezembro para frear a disseminação exponencial do coronavírus.

Segundo o governo local, se dentro de duas semanas a situação de saúde tiver melhorado, o governo vai reavaliar a possibilidade de reabrir algumas lojas consideradas não essenciais.

As restrições levaram as principais Bolsas a fortes quedas. Londres caiu 2,55%, Paris, 3,37%, e Frankfurt, 4,17%. Nos Estados Unidos, Dow Jones tombou 3,43%, S&P500, 3,53%, e Nasdaq, 3,73%

Alexandre Espírito Santo, economista da Órama, diz que não espera um tombo tão grande quanto no segundo trimestre, mas diz que a nova onda de infecções pode gerar uma desaceleração global novamente.

"Isso mostra que sem vacina não vai adiantar e o mercado volta a ficar dependente disso", diz.

Segundo Espírito Santo, uma das explicações para a alta do dólar e queda da Bolsa é a saída de estrangeiros do Brasil.