Mercado abrirá em 2 h 4 min
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,40
    +0,49 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.856,30
    -23,30 (-1,24%)
     
  • BTC-USD

    39.365,11
    +3.307,52 (+9,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    980,87
    +39,05 (+4,15%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.164,90
    +30,84 (+0,43%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.039,25
    +45,00 (+0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1990
    +0,0064 (+0,10%)
     

Bolsas feitas a partir de calças jeans: universitários criam marca de moda sustentável

·2 minuto de leitura

RIO — Cada vez mais falado no mundo fashion, o upcycling vem garantindo presença em coleções de marcas internacionais como Balenciaga e Miu Miu. A técnica de reutilizar tecidos para confecção de novas peças é uma das apostas sustentáveis do setor da moda para frear as toneladas de lixo que o setor produz anualmente. Influenciados pela tendência e pelo desejo de mudança, três jovens moradores da Barra decidiram criar sua própria marca em 2019: a Berma Bag, que comercializa bolsas confeccionadas a partir de tecidos reaproveitados e se prepara para o lançamento da sexta coleção.

—Temos agora o movimento contrário ao consumo exorbitante. Na Berma a gente tenta refletir no processo criativo os conceitos do slow fashion e do upcycling, que ajudam o meio ambiente. Por exemplo, na produção de jeans se usa uma quantidade de água muito grande— conta Mateus Salimena, estudante de Administração de 23 anos, que criou a marca ao lado dos estudantes de Design Pedro Lopes, da mesma idade, e Lucas Felsk, de 24 anos.

—A Berma Bag é formada por três amigos que começam uma marca de roupas com tecidos meio que numa brincadeira de erros e acertos. A partir daí vimos como uma oportunidade de negócios, pois ao mesmo tempo em que era esteticamente agradável, a gente já tinha uma uma matéria-prima para começar em casa — explica Salimena.

No início, as bolsas eram feitas principalmente a partir de calças jeans e cargo de suas próprias famílias. Hoje eles fazem uma curadoria pela cidade em brechós e também recebem doações. A sexta coleção será lançada em parceria com o estúdio gráfico Porta Preta, com peças customizadas.

—É a nossa primeira parceria e estamos bem animados. Ao longo desses dois anos a gente pôde ir adaptando nosso produto: começamos com uma só modelagem e priorizávamos o tecido. Hoje, temos alguns modelos de bolsas mais elaboradas. A principal bolsa chamamos carinhosamente de pastel de feira (risos) — explica Salimena.

A marca tem uma pegada jovem e voltada para o street wear. Os rapazes costumavam vender suas coleções em feiras artísticas espalhadas pela cidade. Com a pandemia e as mudanças nos hábitos de consumo, tiveram que se adaptar, e além da nova coleção, planejam aumentar a variedade de produtos. Atualmente, as peças são vendidas exclusivamente pelo endereço do Instagram @bermabag.

—A gente já teve até ponto físico, mas o local fechou na pandemia. Agora pensamos muito em criar outros produtos, roupas ou até mesmo móveis. Mas tudo pensado nesse conceito de reutilização e sustentabilidade — diz.

*Estagiária, com supervisão de Lilian Fernandes

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)