Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,91 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,73 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,18
    -0,37 (-0,83%)
     
  • OURO

    1.816,30
    -2,60 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    18.833,53
    +89,50 (+0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    369,69
    -10,17 (-2,68%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,32 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.384,73
    +118,54 (+1,89%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,18 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.778,07
    -9,47 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    12.441,75
    -10,50 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3066
    -0,0004 (-0,01%)
     

Bolsas fecham com pequenas quedas

·1 minuto de leitura
Painel das cotações da Bolsa de Tóquio, em 6 de novembro de 2020 na capital japonesa
Painel das cotações da Bolsa de Tóquio, em 6 de novembro de 2020 na capital japonesa

As ações europeias fecharam nesta sexta-feira com leves quedas, após uma semana espetacular, graças à expectativa de uma vitória do democrata Joe Biden na presidência dos Estados Unidos com um contrapeso republicano no Congresso. 

O Down Jones abriu ligeiramente em baixa também, 0,1%. Londres fechou inalterada, Frankfurt perdeu 0,7%, Paris 0,5%. Milão caiu 0,25% e Madri, 0,78%. 

Pouco antes, o mercado de ações de Tóquio fechou em seu nível mais alto desde 1991, com o índice Nikkei 225 subindo 0,91%, para 24.325,23 pontos. Seu outro índice principal, o Topix, ganhou 0,52%, para 1.658,49.

Em toda a semana, o Nikkei ganhou cerca de 6%, o Dax da Bolsa de Frankfurt cerca de 7%, a exemplo do índice CAC 40 da bolsa parisiense. 

Os mercados de ações em todo o mundo veem a provável vitória de Biden de forma positiva, combinada com um equilíbrio de poder com os republicanos no Congresso. 

Nessa situação "será difícil" para o novo governo de Washington implementar aumento de impostos ou um endurecimento das regulamentações, segundo Nobuhiko Kuramochi, analista da Mizuho Securities, citado pela agência Bloomberg. 

Nesse caso, "Biden terá dificuldades" na execução de sua política econômica, avalia David Madden, analista da CMC Markets. 

“Esta perspectiva energizou os mercados de ações, já que Biden não será capaz de implementar seu programa para combater o setor de alta tecnologia ou impor novas práticas de preços aos grupos farmacêuticos”, acrescentou. 

No entanto, o coronavírus, que continua pesando na economia mundial, e a incerteza nos Estados Unidos há meses sobre um novo plano de reativação continuam sendo fatores negativos para os mercados financeiros.

etb-pan/aue/me-jz/mis