Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.920,61
    +356,17 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.934,91
    +535,11 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,86
    +0,15 (+0,23%)
     
  • OURO

    1.814,30
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    56.633,32
    -313,31 (-0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.471,81
    +0,40 (+0,03%)
     
  • S&P500

    4.201,62
    +34,03 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    34.548,53
    +318,19 (+0,93%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.352,37
    +21,00 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    13.635,50
    +37,75 (+0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3636
    -0,0030 (-0,05%)
     

Bolsas europeias fecham sem direção única e têm o pior mês desde março

Rafael Vazquez
·3 minuto de leitura

O índice pan-europeu Stoxx Europe 600 oscilou entre perdas e ganhos durante a sessão e fechou o dia em alta de 0,18%, porém, caiu 5,56% na semana As bolsas europeias fecharam a sessão desta sexta-feira (30) sem direção única e encerram a semana e o mês de outubro com perdas intensas. Embora os resultados do Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro e das quatro maiores economias da União Europeia tenham surpreendido positivamente no terceiro trimestre, a perspectiva para os últimos meses do ano é negativa, diante da segunda onda de covid-19 e o restabelecimento de restrições à circulação social, fator determinante para a queda nesta semana. Os investidores globais também trabalham com cautela a poucos dias da eleição americana, na próxima terça-feira (3). O índice pan-europeu Stoxx Europe 600 oscilou entre perdas e ganhos durante a sessão e fechou o dia em alta de 0,18%, a 342,36 pontos, ajudado pela recuperação parcial do setor de petróleo e gás, que subiu 1,9% após as perdas nos dias anteriores. O desempenho melhorou depois que o Eurostat, escritório de estatísticas da União Europeia, divulgou que o Produto Interno Bruto (PIB) da região cresceu 12,7% no segundo trimestre, ante o trimestre anterior, acima da expectativa de 9,2% de economistas consultados pelo “Wall Street Journal”. Na semana, porém, o Stoxx Europe 600 caiu 5,56%, a pior desde 12 de junho, desempenho que levou o índice a terminar outubro com queda de 5,19%, o pior mês desde março. O DAX, referência da Bolsa de Frankfurt, finalizou o dia com queda de 0,36%, a 11.556,48 pontos, mesmo após o PIB da Alemanha, no terceiro trimestre, ter crescimento recorde de 8,2% ante o trimestre anterior. Com isso, o índice terminou a semana com perdas de 8,61% e despencou 9,44% em outubro. Na Bolsa de Londres, o FTSE 100 recuou 0,08% nesta sexta, aos 5.577,27 pontos, terminando a semana com perdas de 4,83% e encerrando mês com queda de 4,92%. O CAC 40, da Bolsa de Paris, subiu 0,54% hoje, a 4.594,24 pontos. O PIB francês se recuperou e cresceu 18,2% no terceiro trimestre, após o tombo do segundo trimestre. No entanto, o índice acumulou queda de 6,42% na semana e termina outubro 4,36% abaixo do que começou. Na Bolsa de Milão, o FTSE MIB avançou 0,40% hoje, a 17.943,11 pontos, depois que o PIB italiano cresceu 16,1% no terceiro trimestre, na margem. Mas, assim como os seus pares, caiu 6,96% na semana e 5,64% no mês. As quedas acentuadas ocorreram entre segunda (26) e quarta-feira (28) por causa da segunda onda da covid-19 no continente e das informações de que França e Alemanha planejavam novos “lockdowns” nacionais, o que se confirmou na quarta-feira. Diante do cenário, economistas alertam que as previsões para o fim do ano voltam a ser sombrias. “Embora esses números de forte crescimento do PIB no terceiro trimestre sejam uma boa notícia, a recente reintrodução de medidas de contenção rígidas em todo o bloco, provavelmente, fará a recuperação se reverter. Os primeiros dados da pesquisa para o quarto trimestre mostram que a perspectiva já estava piorando antes das restrições serem introduzidas”, escreveu, em nota após os dados, Rosie Colthorpe, economista da Oxford Economics. “Esperamos, agora, que a economia da zona do euro encolha mais uma vez no quarto trimestre. Se as restrições atuais não controlarem a propagação do vírus, os governos provavelmente irão apertar ou estender as medidas de contenção. Isso significa que os riscos para a perspectiva do quarto trimestre estão claramente negativos”, acrescentou Colthorpe.