Mercado fechado

Bolsas da Europa se recuperam e fecham em alta

·3 minutos de leitura

Após a pior sessão para as ações da Europa em meses na segunda-feira (21), os investidores aproveitam a desvalorização dos papéis para ajustar posições Os índices acionários europeus fecharam a quarta-feira (23) em alta, mesmo diante de indicadores econômicos que apontaram para uma estabilização na recuperação econômica no continente. Após a pior sessão para as ações da Europa em meses na segunda-feira (21), os investidores aproveitam a desvalorização dos papéis e, desde ontem, ajustam posições. O índice Stoxx 600 Europe encerrou o dia com ganhos de 0,55%, aos 359,53 pontos, mas ainda acumula perdas de 2,51% nesta semana. O índice de referência da bolsa de Londres, o FTSE 100, avançou 1,20%, aos 5.899,26 pontos, enquanto, em Frankfurt, o DAX subiu 0,39%, encerrando o dia aos 12.642,97 pontos. Em Paris, o CAC 40 avançou 0,62%, a 4.802,26 pontos. Em Milão e Madrid, as referências subiram 0,18% e 0,08%, respectivamente. Dados econômicos O ressurgimento dos casos de covid-19 pressionou as empresas ligadas ao setor dos serviços na Europa, apesar do segmento da indústria continuar reportando uma recuperação após fortes quedas na produção que sofreu principalmente em março e abril. Dados da IHS Markit mostram que o Índice de Gerente de Compras (PMI, na sigla em inglês) composto da zona do euro caiu para 50,1 pontos, em setembro, contra 51,9 pontos em agosto. Uma leitura acima de 50 pontos indica que a atividade está em expansão, enquanto uma leitura abaixo de 50 aponta para contração. O PMI de serviços caiu para 47,6 pontos em setembro, contra 50,5 em agosto, ao passo que o PMI do setor industrial subiu para 53,7 pontos, de 51,7 em agosto, tendo tocado uma máxima de 25 meses. Os dados referentes a setembro são preliminares e serão confirmados no dia 1º do mês que vem. "Em suma, o PMI de hoje indica uma desaceleração no ritmo de recuperação econômica na melhor das hipóteses e uma recuperação estagnada na pior. Já sabíamos que o ritmo de recuperação cairia à medida que os efeitos da reabertura desaparecessem dos números, então, a primeira conclusão não é chocante", afirmou Bert Colijn, macroeconomista global do ING. "O impacto da fraqueza relacionada à segunda onda da doença nos leva a pensar que a recuperação está sob mais pressão do que se pensava anteriormente. Para os governos e o Banco Central Europeu, este é um sinal de alerta", afirmou. Na Alemanha, o sentimento do consumidor alemão deve se estabilizar em outubro, após uma clara desaceleração no mês anterior, segundo afirmou o grupo de pesquisa de mercado GfK, hoje. Destaques As ações de turismo e lazer tiveram o melhor desempenho setorial dentro do Stoxx 600 hoje, fechando em alta de 2,10%. As marcas de roupas esportivas Adidas (+4,42%), Puma (+4,09%) e a varejista JD Sports Fashion (+3,83%) avançaram depois que a Nike relatou um aumento nas suas vendas on-line. "Continua a haver bolsões de boas notícias, como a da Nike", disse Chris Beauchamp, da IG.