Mercado fechado

Bolsas da Europa fecham em alta com otimismo sobre acordo EUA-China

Victor Rezende

Percepção de que o crescimento da economia global está se estabilizando também contribuiu para o bom humor dos agentes, que foram às compras Os principais indicadores acionários da Europa encerraram o pregão desta quinta-feira em alta, apoiados pelo otimismo em torno das relações comerciais entre Estados Unidos e China, após comentários feitos pelo diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca, Larry Kudlow. A percepção de que o crescimento da economia global está se estabilizando também contribuiu para o bom humor dos agentes, que foram às compras, com destaque para os papéis de instituições financeiras.

Assim, nesta sexta-feira, o índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou a sessão em alta de 0,26%, cotado a 405,46 pontos. Na Bolsa de Frankfurt, o DAX subiu 0,45%, para 13.239,47 pontos, e, em Londres, o FTSE 100 encerrou o dia em alta de 0,12%, cotado a 7.301,20 pontos.

Michael Probst/AP

Chineses e americanos estão “chegando perto” de um acordo, disse Kudlow em evento na noite de ontem. De acordo com ele, os negociadores dos dois países têm trabalhado para que seja alcançado um pacto no qual Pequim se comprometeria a comprar produtos agrícolas americanos e Washington concordaria rever algumas das tarifas impostas a bens chineses.

Em relatório enviado a clientes, a LPL Financial, maior corretora independente dos EUA, nota que uma estabilização do crescimento global também dá apoio à busca por ativos considerados mais arriscados. A LPL lembra que o índice de gerentes de compras (PMI) global do J.P. Morgan aumentou por três meses consecutivos e já avista o nível de 50 pontos, enquanto os indicadores antecedentes da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) também refletiram uma perspectiva de crescimento estável para a Europa,o Japão e a Rússia.

“Os sinais de estabilização na Europa e no Japão, juntamente com o progresso recente no comércio global, apontam para uma perspectiva melhorada do crescimento econômico mundial e sugerem que a recente melhora no desempenho do mercado de ações global pode não ser um acaso”, afirma Ryan Detrick, estrategista de mercados sênior da LPL.

A percepção de melhora na economia mundial deu apoio a ações de bancos na Europa. Em Paris, o papel do Société Générale encerrou o pregão em alta de 0,90% e ajudou o índice CAC 40 a encerrar o dia com avanço de 0,65%, aos 5.939,27 pontos. Em Milão, o índice FTSE MIB fechou em alta de 0,46%, aos 23.590,50 pontos, com apoio do UniCredit (+0,53%). Já em Madri, o Ibex-35 chegou ao fim do dia com 9.259,00 pontos, alta de 0,93%, enquanto os papéis do BBVA subiram 0,58%.