Mercado fechado

Bolsas da Europa fecham em alta após sinalização mais branda da China

Valor

O Stoxx 600 fechou a sessão em alta de 0,42%, o FTSE 100, de Londres, valorizou 0,33% e o DAX, de Frankfurt, avançou 1,04% Os índices acionários europeus encerraram a quarta-feira (9) em alta, beneficiados pela perspectiva mais amena sobre as negociações comerciais entre Estados Unidos e China e impulsionados por um movimento que buscou corrigir parcialmente as perdas da terça (8).

O Stoxx 600 fechou a sessão em alta de 0,42%, para 380,30 pontos, enquanto o FTSE, referência de Londres, registrou ganhos de 0,33%, aos 7.166,50 pontos. O DAX, de Frankfurt, subiu 1,04%, aos 12.094,26 pontos, e o CAC 40, de Paris, valorizou 0,78%, a 5.499,14 pontos. O FTSE MIB, de Milão, teve ganhos de 0,60%, aos 21.533,64 pontos.

Depois de um recrudescimento das tensões entre as duas maiores economias do mundo nos últimos dias, Pequim interrompeu a sequência de declarações combativas ao dizer, mais cedo nesta quarta, que ainda está aberta a "um acordo comercial parcial", conforme publicou a agência de notícias "Bloomberg".

Analistas esperam que a China anuncie um aumento das compras de produtos agrícolas americanos, mas a perspectiva de um acordo comercial mais amplo, capaz de resolver as tensões entre os dois países, é fraca.

O IG disse que os mercados globais estão apresentando um desempenho relativamente bom, com o sentimento melhorando após uma sessão de baixa. "As negociações comerciais EUA-China continuam a dominar a agenda, com os ganhos de hoje em risco, caso as negociações falhem mais uma vez", afirmou Joshua Mahony, do IG.

Brexit

Segundo um teste de estresse relacionado ao Brexit feito pela MSCI, caso o Reino Unido deixe a União Europeia (UE) sem um acordo, as ações em Londres podem sofrer uma queda de 15% e a libra esterlina uma desvalorização da ordem de 10% ante o dólar americano.

Ainda, a saída desordenada da UE também faria com que o mercado de ações dos EUA recuasse 3% e as ações alemãs caíssem 5%, apontou o estudo.

"Em resumo, os mercados acionários cairiam, com o Reino Unido tendo o maior impacto", disseram os analistas da MSCI Aniko Maraz e Thomas Verbraken. “Os rendimentos soberanos diminuiriam no Reino Unido e na Europa, enquanto os spreads corporativos aumentariam. Tanto a libra quanto o euro perderiam valor em relação ao dólar. ”

Hoje, as ações das empresas do setor automobilístico tiveram o melhor desempenho dentro do índice pan-europeu Stoxx 600, em alta de aproximadamente 1%. Os papéis da Daimler subiram 1,94% e, os da Porsche, 2,07%. A ações da Peugeot subiram 0,90%, da Ferrari, 0,70%, e, da Fiat, 0,61%. Dentro do índice DAX, de Frankfurt, a Adidas liderou os ganhos, em valorização de 3,30%.