Bolsas asiáticas fecham em direções divergentes

Os mercados acionários da Ásia e do Pacífico fecharam em direções divergentes nesta quarta-feira, diante da falta de novidades macroeconômicas na região. A ausência de grandes indicadores permitiu uma realização de lucros na Bolsa de Xangai, enquanto informações corporativas mantiveram a alta nos papéis em Hong Kong. Na Austrália, entretanto, a Bolsa de Sydney encerrou o pregão quase estável, assim como na bolsa sul-coreana de Seul.

As ações em Xangai terminaram em baixa e deram fim a uma sequência de 10 sessões de ganhos. O índice Xangai Composto caiu 0,83%, para 3.660,73 pontos, enquanto o Shenzhen Composto ganhou 1,08%, para 1.943,69 pontos. No entanto, a correção em Xangai não foi tão profunda quanto a esperada, indicando que os investidores ainda estão otimistas. "A era heroica do mercado de ações da China ainda está em vigor", disse a Shenwan Hongyuan Securities, ao acrescentar que o ímpeto "pode durar 10 anos!".

Em uma nota mais moderada, a Huatai Securities atribuiu as perspectivas de curto prazo do mercado para sinais mais acomodatícios do Federal Reserve, postura pró-crescimento em Pequim e uma ampla oferta de liquidez.

Já em Hong Kong, foram registrados ganhos em ações por causa do noticiário corporativo. O índice Hang Seng subiu 0,53%, para 24.528,23 pontos. Os papéis da Cheung Kong Hutchison Holdings e da Hutchison Whampoa avançaram mais de 2% após o grupo Hutchison chegar a um acordo para comprar a operadora britânica de telecomunicações O2.

A tendência de ganho também foi observada em Seul e Sydney, embora os avanços tenham sido mínimos. O índice australiano S&P/ASX 200 se elevou 0,07%, para 5.973,30 pontos, com baixa de 0,35% nos papéis da BHP Billiton e recuo de 0,94% nas ações da Rio Tinto.

O sul-coreano Kospi, por sua vez, obteve alta de 0,07%, aos 2.042,81 pontos, após o governo confirmar o crescimento de 2,7% no Produto Interno Bruto (PIB) do quarto trimestre, ante igual período do anterior, em linha com a primeira estimativa. O resultado representa uma desaceleração da economia sul-coreana, que cresceu 3,3% nos 12 meses encerrados no terceiro trimestre de 2014. Em todo o ano de 2014, o país teve expansão econômica de 3,3%, ante alta de 2,9% em 2013. Com informações da Dow Jones.

Carregando...