Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,31
    -0,38 (-0,58%)
     
  • OURO

    1.786,60
    +10,60 (+0,60%)
     
  • BTC-USD

    56.824,18
    +2.190,66 (+4,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.454,47
    +49,16 (+3,50%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    -139,16 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.812,63
    -241,37 (-0,83%)
     
  • NASDAQ

    13.483,50
    -52,50 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4263
    -0,1130 (-1,73%)
     

Bolsa vai na contramão do exterior e sobe 0,97%

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Bolsa de Valores brasileira subiu 0,97% nesta segunda-feira (12), aos 118.811 pontos. O Ibovespa, principal índice acionário do país, terminou descolado do observado nas Bolsas internacionais, que terminaram majoritariamente no campo negativo. Em Wall Street, os índices americanos S&P, Dow Jones e Nasdaq caíram 0,02%, 0,16% e 0,36%, respectivamente, na medida em que os investidores esperavam por sinais da próxima temporada de balanços corporativos e por um importante relatório de inflação, que deve ser divulgado ainda nesta semana. Por aqui, um dos principais destaques foi a Petrobras, cujas ações subiram 1,02% (ordinárias) e 0,88% (preferenciais) depois de a estatal ter assinado um acordo com a União para compensação à companhia no caso de licitação dos volumes excedentes da cessão onerosa nos campos de Sépia e Atapu. Os investidores também observam os desdobramentos da AGE (Assembleia Geral Extraordinária) da petroleira, que já realizou a destituição de Roberto Castello Branco do conselho da companhia. Também foram destaque os papeis do Grupo Pão de Açúcar, com alta de 9,79% e Braskem, com avanço de 7,82%. Ainda no mercado doméstico, estão no radar os impasses em torno do Orçamento para 2021, o cronograma e ritmo do plano de vacinação e a CPI da Covid-19. Na semana passada, o ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou que o Senado Federal instaure uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar a atuação do governo federal no combate à pandemia. O presidente Jair Bolsonaro defende que a investigação também seja ampliada para os Estados e municípios. Luiz Fux, presidente do STF, agendou o julgamento sobre a instalação da CPI da Pandemia no Senado para o dia 14 de abril, próxima quarta-feira. Com menor apetite ao risco, o dólar também encerrou a sessão desta segunda em alta de 0,89%, cotado em R$ 5,7250.