Mercado abrirá em 4 h 28 min
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,96 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,60 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,52
    -0,10 (-0,09%)
     
  • OURO

    1.837,90
    +7,60 (+0,42%)
     
  • BTC-USD

    21.377,66
    -38,13 (-0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    466,37
    +12,47 (+2,75%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,28 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.277,89
    +69,08 (+0,96%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.254,50
    +114,00 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5367
    -0,0157 (-0,28%)
     

Bolsa sofre quinta queda ante temor de inflação nos EUA

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 05.09.2013 - Movimentação na Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 05.09.2013 - Movimentação na Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O mercado financeiro mundial fechou com forte viés negativo nesta quinta-feira (9) e empurrou a Bolsa de Valores brasileira para a quinta queda diária consecutiva. Já no câmbio, como é comum em dias em que investidores são pressionados pelo aumento do risco no mercado de ações, o dólar teve valorização frente ao real.

O indicador de referência da Bolsa brasileira caiu 1,18%, a 107.093 pontos. Desvalorizações de empresas dos setores de mineração, siderurgia e petrolífero puxaram o Ibovespa para baixo. O dólar comercial subiu 0,59%, cotado a R$ 4,9180 na venda.

A sessão foi recheada de informações com potencial de afetar os investimentos, o que gerou oscilações, sobretudo, nas primeiras horas de negociação.

Divulgação da inflação doméstica, privatização da Eletrobras, pronunciamento sobre juros na Europa, retomada de medidas contra a Covid na China, além da expectativa sobre preços ao consumidor nos Estados Unidos. Esse foi o cardápio digerido pelo mercado nesta quinta.

O segmento de commodities, um dos mais importantes do mercado acionário do país, foi prejudicado pela possibilidade de desaceleração da atividade econômica na China, principal consumidor desses materiais básicos. A Vale tombou 3,38%. A Petrobras perdeu 1,44%.

Medidas de contenção da Covid voltam a preocupar o mercado dias após o afrouxamento das restrições em Xangai, centro financeiro do país. O principal índice que acompanha ações de empresas dessa região fechou em queda de 1,05%.

"Autoridades chinesas voltaram a discutir fechamentos parciais de Xangai e de Pequim, seja pela própria restrição de mobilidade de infectados ou até mesmo para a execução de planos de testagem em massa", comentou Étore Sanchez, economista da Ativa Investimentos.

No lado positivo da balança do mercado de ações do Brasil, a Eletrobras subiu 2,14% no dia da precificação das suas ações. A empresa controlada pelo governo está em processo de privatização.

Participantes do mercado avaliam que há forte demanda por ações da companhia, cuja movimentação financeira já atinge cerca de R$ 70 bilhões, enquanto o esperado era de R$ 35 bilhões, segundo a agência Reuters.

Ações de empresas com maior potencial de crescimento e do varejo tinham desempenho positivo diante da perda de fôlego da inflação no Brasil. Esses segmentos podem ser beneficiados se a desaceleração dos preços for suficiente para frear a escalada dos juros.

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) avançou 0,47% em maio. O índice é inferior ao 1,06% de abril e ficou abaixo do 0,60% projetado por analistas consultados pela agência Bloomberg.

"A tendência sazonal a partir deste mês de maio é de acomodação da curva inflacionária", comentou Nicola Tingas, consultor da Acrefi (associação de empresas de crédito e financeiras).

"Esse quadro permite ao Banco Central buscar sua intenção de encerrar o ciclo de alta da Selic [taxa de juros], na reunião do Copom [Comitê de Política Monetária] deste mês, em 13,25%", disse Tingas.

Também nesta quinta, o Banco Central Europeu informou que adotará uma série de aumentos dos juros a partir de julho. No entanto, os comentários da presidente da instituição, Christine Lagarde, foram menos duros do que o esperado quanto ao aperto monetário para conter a inflação na região, segundo analistas ouvidos pela Reuters.

O índice de ações que acompanha as 50 principais empresas instaladas em países que têm o euro como moeda recuou 1,70%.

Nos Estados Unidos, o indicador de referência S&P 500 mergulhou 2,38%. Dow Jones e Nasdaq afundaram 1,94% e 2,75%, respectivamente.

Nesta sexta-feira (10), a divulgação do CPI (índice de inflação ao consumidor) dos Estados Unidos dará pistas sobre o progresso do aperto monetário do Fed (Federal Reserve, o banco central americano).

Dados que demonstrem força da inflação podem reforçar a expectativa de alta dos juros no país, favorecendo aplicações em títulos do Tesouro americano e prejudicando o mercado de ações.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos