Mercado fechado

Bolsa sobe 2,95% e retoma os 100 mil pontos

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 24-01-20109 - Cédulas de dólar. Papel Moeda. Dinheiro. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 24-01-20109 - Cédulas de dólar. Papel Moeda. Dinheiro. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Bolsa de Valores brasileira subiu 2,95% nesta quinta-feira (5) e retomou o patamar de 100 mil pontos.

Nesta semana, os mercados acionários globais registram fortes ganhos em meio a expectativas relacionadas às eleições nos Estados Unidos.

Em Nova York, o S&P 500 e Dow Jones subiram 1,95% cada um, com apostas de que republicanos continuarão no controle do Senado, reduzindo chances de mudanças políticas que afetem grandes empresas conforme Joe Biden segue na liderança da corrida presidencial. Nasdaq teve alta de 2,59%.

Segundo Bruno Musa, sócio da Acqua Investimento, o mercado vem entendendo que se o democrata Joe Biden vencer o republicano Donald Trump, mas o senado continuar com maioria republicana, não haverá grandes mudanças na economia.

A percepção, segundo ele, é que Biden teria dificuldade de aprovar pautas como aumento de impostos corporativos, ou pacotes de ajuda trilionários sem ter obstáculos.

Ainda nos EUA, o Fed (banco central americano) manteve sua política monetária de afrouxamento intacta nesta quinta, com a taxa de juros próximo de 0, e se comprometeu novamente a fazer o que puder nos próximos meses para sustentar uma recuperação americana.

No Ibovespa, a maior alta foi da Ultrapar, que disparou 15,09%, após resultado acima das previsões de analistas no terceiro trimestre, com o grupo multissetorial se beneficiando da gradual retomada da economia brasileira dos efeitos da pandemia de coronavírus. Também com atuação no setor de combustível, Cosan avançou 10,12%.

A GOL valorizou-se 9,89%, após dados de tráfego mostrando recuperação na demanda de voos domésticos pela companhia em outubro ante setembro, com alta de 34%. A ação também foi ajudada pela queda do dólar em relação ao real. No setor, Azul subiu 9,5%.

Já a Ecorodovias saltou 8,7%, em meio à repercussão do balanço do terceiro trimestre, mostrando que o tráfego nas estradas sob concessão da administradora se recuperou gradualmente. Para o Bradesco BBI, a Ecorodovias deve estar bem posicionada para obter concessões de novos projetos em 2021, bem como a resolução de reequilíbrios econômicos para as concessões paulistas poderia desbloquear cerca de R$ 7,8. A concorrente CCR subiu 8,8%.