Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.465,81
    +995,15 (+2,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Bolsa sobe 1,72% e dólar cai 1,84% após recuo de Bolsonaro

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Bolsa de Valores brasileira fechou em alta em uma reação imediata do mercado após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ter recuado dos ataques feitos ao STF (Supremo Tribunal Federal) durante as manifestações de raiz golpista do 7 de Setembro.

Pouco antes das 16h30 desta quinta-feira (9), o Ibovespa, principal índice da B3, rumava para fechar com um recuo de 0,5%, abaixo dos 113 mil pontos.

Às 16h40, porém, após a divulgação da carta em que Bolsonaro afirma que nunca teve “nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes”, o índice saltou acima dos 116 mil pontos, retrocedendo um pouco nos minutos seguintes, fechando em 115.360 pontos, com alta de 1,72%.

O dólar, que caminhava para um recuo inferior a 1%, acelerou a queda após a divulgação da carta, encerrando o dia com baixa de 1,84%, cotado a R$ 5,2270.

Na quarta-feira (8), o Ibovespa havia tombado 3,78%, a 113.413 pontos, em um dia em que as reações às declarações de Bolsonaro amedrontaram o mercado, sobretudo após o presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, ter dito que a afirmação de Bolsonaro sobre descumprir decisões judiciais do ministro Alexandre de Moraes, se confirmada, configuraria crime de responsabilidade.

A queda desta quarta foi a maior desde 8 de março, quando o Ibovespa recuou quase 4% após o STF anular as condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na ocasião, Lula recuperou os direitos políticos, que hoje é o principal adversário de Bolsonaro para 2022.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos