Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.256,36
    -3.411,42 (-2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.310,27
    -841,11 (-1,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,25 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.769,10
    -28,80 (-1,60%)
     
  • BTC-USD

    47.784,51
    -890,31 (-1,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    953,91
    -40,75 (-4,10%)
     
  • S&P500

    3.829,34
    -96,09 (-2,45%)
     
  • DOW JONES

    31.402,01
    -559,85 (-1,75%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.788,00
    -514,00 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7372
    +0,1667 (+2,54%)
     

Bolsa sobe 0,7% e volta aos 119 mil pontos

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ibovespa fechou em alta de 0,73%, a 119.299,83 pontos, nesta quinta-feira (11), impulsionado por balanços positivos e após três quedas seguidas. Na semana, até o momento, o índice contabiliza perda de 0,78%. A Totvs, por exemplo, subiu 7,77% após a companhia de sistemas e plataformas para gestão de empresas mostrar lucro líquido ajustado de R$ 86,8 milhões no quarto trimestre. Natura saltou 5,99% e Tim, 5,43%. A operadora de telecomunicações divulgou na véspera lucro líquido de R$ 1,013 bilhão no quarto trimestre de 2020, alta de 10,4% em relação aos últimos três meses do ano anterior. A Suzano subiu 3,6% e atingiu cotação recorde após lucro de R$ 5,914 bilhões no quarto trimestre,superando as expectativas do mercado. Executivos da companhia veem tendência de alta nos preços de celulose. Analistas também citam como positivo para os negócios a aprovação pela Câmara dos Deputados de projeto que confere autonomia formal ao Banco Central, que agora espera sanção presidencial. "É uma das mudanças institucionais mais importantes que o Brasil teve nos últimos tempos", afirmou o economista Bruno Musa, sócio da Acqua Investimentos. Investidores continuam acompanhando a 'sintonia' entre o Congresso Nacional e o Planalto, para a aprovação de reformas, enquanto cresce a chance de nova rodada de auxílio emergencial em razão da pandemia de Covid-19. O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta que o governo estuda renovar o auxílio por três ou quatro meses a partir de março, embora tenha voltado a defender a necessidade de se fazer isso com "responsabilidade fiscal". Na visão do analista Rafael Ribeiro, da Clear Corretora, a perspectiva de mais estímulos tirou a bolsa das máximas, e se a solução encontrada no final representar de alguma forma uma flexibilização do teto de gastos o nível de risco subirá. Ele ponderou, contudo, que "se governo conseguir costurar com o Congresso o avanço da agenda de reformas ao longo do ano e firmar seu compromisso fiscal, o mercado deve receber bem melhor a notícia (sobre a retomada do auxílio emergencial)". Em sua estreia na Bolsa, a Westwing caiu 8,46%, após a plataforma de comércio eletrônico movimentar R$ 1,16 bilhões em seu IPO (oferta inicial de ações, na sigla em inglês). Já a Cruzeiro do Sul recuou 7,29% em seu primeiro pregão na B3. Em Wall Street, o índice Dow Jones caiu 0,02%, enquanto o S&P 500 ganhou 0,17% e o Nasdaq avançou 0,38%.