Mercado fechará em 3 h 11 min
  • BOVESPA

    118.877,11
    +1.496,62 (+1,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.715,96
    -410,55 (-0,91%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,65
    -0,12 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.851,80
    -3,40 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    31.840,55
    -527,74 (-1,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    639,71
    -7,61 (-1,18%)
     
  • S&P500

    3.862,26
    +6,90 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    31.034,35
    +74,35 (+0,24%)
     
  • FTSE

    6.666,81
    +27,96 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.491,50
    +16,00 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5522
    -0,0840 (-1,27%)
     

Bolsa de São Paulo registra recorde durante o dia na última sessão do ano

·1 minuto de leitura
Sede da Bolsa de Valores no centro de São Paulo, em 27 de janeiro de 2020

A bolsa de São Paulo operou nesta quarta-feira (30) acima dos 120.000 pontos pela primeira vez, antes de recuar e fechar a última sessão do ano com 119.017 pontos, em leve queda de 0,15%.

Em 2020, o índice Ibovespa subiu 3,10%, recuperando no segundo trimestre o tombo de mais de 40%, sofrido em março após o início da pandemia do novo coronavírus.

Na manhã desta quarta, o Ibovespa alcançou um máximo histórico de 120.149 pontos, estimulado pela autorização no Reino Unido da vacina da AstraZeneca/Oxford, principal aposta do governo brasileiro contra a covid-19.

Os analistas esperam que a recuperação prossiga no ano que vem, com o avanço dos planos de vacinação contra o coronavírus, que já deixou no Brasil mais de 193.000 mortos, um balanço superado apenas pelos Estados Unidos.

"2021 será ano de vacinação e isso significa que volta o crescimento (econômico)" tanto no Brasil quanto no resto do mundo, afirmou Sergio Vale, da consultoria MB Associados.

O dólar foi negociado nesta quarta-feira a 5,189 reais, em alta de 0,15% em relação à moeda brasileira.

A moeda americana chegou a ser cotada a 5,88 reais em maio, mas a valorização do real nos últimos meses é apenas parcial, pois sofreu uma depreciação de 29% em 2020.

Os investidores estimam que o dólar não baixará dos 5 reais em 2021, devido, entre outros fatores, às incertezas provocadas no Brasil por seu importante nível de déficit e da dívida pública.

js/ll/mvv