Mercado abrirá em 6 h 54 min
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,47
    +0,17 (+0,23%)
     
  • OURO

    1.754,20
    +4,40 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    44.290,84
    +355,37 (+0,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.107,46
    -1,46 (-0,13%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.508,33
    -2,65 (-0,01%)
     
  • NIKKEI

    30.258,10
    +618,70 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    15.277,50
    -26,00 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2251
    +0,0001 (+0,00%)
     

Bolsa fecha no menor nível desde maio em dia tenso no mercado

·2 minuto de leitura

Em mais um dia de tensão no mercado doméstico e externo, a bolsa de valores voltou a cair e fechou no menor nível em mais de quatro meses. O dólar alternou altas e quedas, mas encerrou em leve baixa após encostar em R$ 5,30 durante a tarde.

O índice Ibovespa, da B3, encerrou esta terça-feira (17) aos 117.904 pontos, com queda de 1,07%. O indicador chegou a cair 2,42% no pior momento da sessão, por volta das 14h50, mas amenizou a queda perto do fim das negociações.

Esse foi o segundo dia seguido de recuo no Ibovespa, que está no menor nível desde 4 de maio. Com o desempenho de hoje, o índice passou a registrar perda em 2021, com queda acumulada de 0,93% no ano.

O mercado de câmbio teve desempenho menos turbulento. O dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 5,27, com queda de R$ 0,011 (-0,2%). A cotação chegou a cair para R$ 5,24 por volta das 12h30, mas subiu para R$ 5,30 por volta das 15h. Perto do fim da sessão, a divisa desacelerou após declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano), Jerome Powell.

O dia foi marcado pelo pessimismo no mercado global e local. No exterior, a queda de 1,1% nas vendas no varejo nos Estados Unidos em julho surpreendeu os investidores. Isso um dia após a divulgação de que a indústria e o comércio da China desaceleraram no mês passado.

O desempenho dos indicadores internacionais aumentou os temores de que a expansão da variante delta do novo coronavírus atrase a recuperação da economia global. O mercado global só se acalmou após o presidente do Fed afirmar que os efeitos da variante sobre a economia norte-americana ainda não estão claros.

No Brasil, a falta de acordo para a votação da reforma do Imposto de Renda piorou o cenário, principalmente após o anúncio de um acordo para aumentar os repasses do Fundo de Participação dos Municípios. Isso porque os investidores temem a perda de arrecadação do governo federal.

* Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos