Mercado abrirá em 3 h 36 min
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,58
    +3,43 (+5,03%)
     
  • OURO

    1.796,70
    +8,60 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    57.407,18
    +2.846,71 (+5,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.434,51
    -20,90 (-1,44%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.105,97
    +61,94 (+0,88%)
     
  • HANG SENG

    23.852,24
    -228,28 (-0,95%)
     
  • NIKKEI

    28.283,92
    -467,70 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.205,00
    +154,00 (+0,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2887
    -0,0598 (-0,94%)
     

Bolsa fecha estável com Vale e Petrobras mascarando tensão com PEC dos Precatórios

·2 min de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 28.06.2018 - Investidores lotaram o saguão da B3 (Bolsa de valores) para participar do leilão de 20 lotes de linhas de transmissão. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 28.06.2018 - Investidores lotaram o saguão da B3 (Bolsa de valores) para participar do leilão de 20 lotes de linhas de transmissão. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Bolsa de Valores brasileira fechou perto da estabilidade nesta segunda-feira (8), com os ganhos no setor de commodities mascarando a tensão do mercado em relação à dificuldade do governo em negociar a aprovação da PEC dos Precatórios.

O Ibovespa, índice de referência do mercado de ações do país, caiu 0,04%, a 104.781 pontos. O dólar subiu 0,36%, a R$ R$ 5,5420.

As atenções do mercado estiveram voltadas nesta segunda para a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que prevê o adiamento parcial do pagamento das dívidas judiciais do governo.

A medida, inicialmente criticada por abrir caminho para o furo no teto de gastos, tem sido avaliada pelo mercado como a saída viável para a acomodação das despesas que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pretende criar no ano eleitoral de 2022, incluindo o pagamento do Auxílio Brasil de R$ 400.

Investidores e agentes financeiros passaram a tolerar a PEC dos Precatórios para, segundo eles, evitar um prejuízo maior com a criação de despesas sem contrapartidas, por meio de medidas provisórias, por exemplo.

Analistas da Clear escreveram nesta segunda que o atraso na votação amplia o risco de fortalecimento de um plano alternativo que abra espaço no orçamento do ano que vem para garantir o pagamento do auxílio.

"Esse processo poderia envolver outras modalidades de pagamento fora do teto de gastos, colocando ainda mais em xeque a austeridade fiscal do país, o que reflete em cautela nos mercados", escreveu a corretora.

Aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados com apenas quatro votos além do necessário, a PEC dos Precatórios pode ter encontrado um obstáculo após a ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Rosa Weber ter suspendido provisoriamente na última sexta a execução orçamentária das emendas de relator.

O instrumento de distribuição de recursos entre parlamentares, que ficou conhecido como "orçamento secreto", foi usado nas negociações para aprovação da PEC.

O STF vai julgar, em sessão virtual extraordinária entre terça (9) e quarta-feira (10), a liminar da ministra.

A expectativa é de que a PEC dos Precatórios seja votada em segundo turno nesta terça.

No topo da lista dos papéis mais negociados do dia, a Vale subiu 5,44% e a Petrobras avançou 1,16%. As gigantes do setor de commodities impediram assim uma queda mais acentuada da Bolsa.

Nos Estados Unidos, os índices Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq subiram 0,29%, 0,09% e 0,07%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos