Mercado fechará em 6 h 7 min
  • BOVESPA

    120.515,60
    +594,99 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.974,84
    +39,93 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,60
    -0,11 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.831,00
    +15,30 (+0,84%)
     
  • BTC-USD

    57.341,38
    -121,11 (-0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.516,02
    +80,24 (+5,59%)
     
  • S&P500

    4.221,40
    +19,78 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    34.629,66
    +81,13 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.117,59
    +41,42 (+0,59%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.689,75
    +92,00 (+0,68%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3532
    -0,0134 (-0,21%)
     

Bolsa encerra pregão acima dos 119 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Bolsa de Valores brasileira fechou esta terça-feira (13) acima dos 119 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro. O Ibovespa, principal índice acionários do país, encerrou a sessão com alta de 0,41%, aos 119.297 pontos, subindo na esteira dos índices internacionais. No mercado doméstico, o principal destaque ficou para as ações da Lojas Americanas e B2W, que subiram 9,31% e 8,97%, respectivamente, com os investidores na expectativa de conclusão de um estudo sobre uma potencial combinação de negócios entre as companhias. Até a véspera, Lojas Americanas acumulava queda de 15,3% no ano e B2W recuava 16,3%. O volume financeiro foi de R$ 29,323 bilhões, acima da média diária de abril (de R$ 23,3 bilhões), mas ainda abaixo da média dos volumes transacionados em meses anteriores. No exterior, apesar da queda de 0,2% do Dow Jones, o S&P 500 registrou recorde e terminou com alta de 0,33%, aos 4.141 pontos, enquanto o Nasdaq Composite avançou 1,05%. O dólar, por sua vez, teve uma sessão bastante volátil nesta terça-feira (13) e encerrou o dia com queda de 0,13%, cotado em R$ 5,7170. Ao longo da sessão dois cenários alternavam o sinal da moeda com frequência. De um lado, os dados de inflação nos Estados Unidos, divulgados pela manhã, não referendaram apostas de redução de estímulos pelo Fed, Banco Central americano, o que enfraqueceu o dólar diante de uma cesta de moedas ao redor do mundo. Por outro lado, o noticiário doméstico da véspera, sobre uma possível flexibilização do teto de gastos, diminuía o apetite por risco e puxava a cotação da moeda para cima. O mercado ainda se mostrou ressabiado com riscos ao regime fiscal. Na véspera, o real teve o pior desempenho global, quando o dólar fechou em alta de 0,90%, a 5,7258 reais, após informações de que o Ministério da Economia e o governo, sob pressão do Congresso, estariam estudando a criação de uma PEC que, no fim das contas, permitiria a acomodação de algumas despesas fora do teto de gastos. O dólar sobe 10,13% no ano, o que deixa a moeda brasileira "brigando" com o peso argentino pelo posto de pior desempenho do mundo em 2020. À cotação de fechamento desta terça, o dólar está a apenas 3,21% da máxima recorde de R$ 5,9012 marcada há exatos dez meses.