Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.451,20
    +74,85 (+0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.442,21
    +436,10 (+0,97%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,88
    +3,38 (+4,31%)
     
  • OURO

    1.668,50
    +32,30 (+1,97%)
     
  • BTC-USD

    19.678,21
    +657,26 (+3,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    447,10
    +18,32 (+4,27%)
     
  • S&P500

    3.719,04
    +71,75 (+1,97%)
     
  • DOW JONES

    29.683,74
    +548,75 (+1,88%)
     
  • FTSE

    7.005,39
    +20,80 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    17.250,88
    -609,43 (-3,41%)
     
  • NIKKEI

    26.173,98
    -397,89 (-1,50%)
     
  • NASDAQ

    11.539,25
    +205,50 (+1,81%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2336
    +0,0737 (+1,43%)
     

Bolsa e dólar reagem a alívio na China sobre a Covid

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mãos segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mãos segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A forte valorização das ações de exportadores de commodities metálicas permitiu a recuperação parcial da Bolsa de Valores brasileira e colaborou com a queda do dólar nesta quarta-feira (27), apesar da aversão global aos investimentos de risco devido às ameaças da inflação mundial.

O Ibovespa, indicador de referência do mercado de ações do Brasil, subiu 1,05%, a 109.349 pontos. A recuperação parcial ocorre após uma sequência de sete quedas diárias. A mineradora Vale deu a maior contribuição ao avançar 5,35%.

Outras companhias ligadas à produção de metais estiveram entre as mais valorizadas do pregão. A Gerdau subiu 6,01%. A CSN ganhou 4,58%.

Após três sessões em alta, o dólar comercial recuou 0,46% na venda, a R$ 4,9670, embora a cotação tenha passado dos R$ 5 pela manhã.

Além da valorização do setor de commodities, que atrai dólares de estrangeiros para o mercado doméstico, o Banco Central também atuou com o intuito de segurar a cotação, realizando um novo leilão de swap cambial tradicional.

Entre as principais matérias-primas exportadas pelo Brasil, o minério de ferro voltou a ter seus contratos futuros valorizados após dias de fortes baixas. Na cidade portuária de Qingdao, na China, a alta de 1,49% significou um alívio depois do tombo de 10% no acumulado de quatro sessões no vermelho.

Permissões para a reabertura de fábricas e o afrouxamento do confinamento para contenção da Covid em Tangshan, principal centro produtor de aço da China, conforme reportou a agência Bloomberg, são as razões apontadas por analistas para a recuperação das commodities metálicas.

Promessas do governo chinês sobre injeções de recursos no setor de infraestrutura ajudaram a ampliar o otimismo sobre o aquecimento da demanda no país que é o maior produtor e consumidor de aço do planeta.

"O avanço dos papéis das siderúrgicas refletiu o contexto da China, em que os preços do minério de ferro se recuperaram devido à melhora da percepção sobre os impactos da Covid", comentou o analista Robson Correa.

Investidores também avaliaram notícias sobre certo alívio na pressão inflacionária doméstica. O IPCA-15, considerado a prévia da inflação oficial, subiu 1,73% em abril, sobre alta de 0,95% no mês anterior, informou o IBGE nesta quarta-feira. A alta veio abaixo do esperado. Pesquisa da Reuters com economistas estimava alta de 1,85% para o período.

Isso teve reflexo no mercado local de juros futuros, cujos contratos com vencimento nos próximos anos passaram a indicar queda.

Entre a véspera e esta quarta, a taxa DI (Depósitos Interbancários) para janeiro de 2023 caiu de 13,02% para 12,97%. Esse tipo de contrato é negociado exclusivamente entre bancos, mas serve de referência para o mercado de crédito.

Em Nova York, o índice mais importante da Bolsa, o S&P 500, avançou 0,21% após uma véspera com quedas agudas espalhadas por todos os segmentos. O Dow Jones subiu 0,19%.

O indicador focado no setor de tecnologia Nasdaq recuou 0,01%, depois de no dia anterior ter atingido a sua maior queda percentual diária desde setembro de 2020.

Na China, o índice de ações que acompanha as empresas de Xangai e Shenzhen subiu 2,94%, recuperando-se parcialmente do tombo de quase 6% acumulado em duas sessões negativas.

O mercado financeiro mundial opera desde a semana passada sob o crescente temor de que as restrições a atividades econômicas para o combate ao coronavírus na China provoquem prejuízos às cadeias globais de suprimentos, repetindo uma situação ocorrida no auge da pandemia.

Riscos inflacionários devido à oferta de produtos vindos da Ásia reforçaram a expectativa de que o Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) elevará agressivamente os juros para tentar conter a maior inflação no país em quatro décadas.

Investidores também temem que uma dose exagerada na elevação dos juros conduza a economia americana à recessão.

Nas negociações de derivados do petróleo, as atenções ficaram voltadas para o gás natural. O preço de referência dos contratos negociados na Europa subiu 4,09%, a 107,42 euros (R$ 568,14) por MWh (megawatt-hora). Na véspera, a commodity já havia disparado 11,17%.

A companhia russa de energia Gazprom avisou a autoridades de Polônia e Bulgária que suspenderia a partir desta quarta o fornecimento de gás, após Varsóvia impor novas sanções a indivíduos e empresas do país presidido por Vladimir Putin.

Com a medida, os países se tornam os primeiros a ter o abastecimento do produto cortado pelo principal fornecedor da Europa desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro.

O mercado do petróleo teve um dia morno. O preço do barril do óleo bruto mais negociado, o Brent, subiu 0,20%, a US$ 105,20 (R$ 527,44). A matéria-prima, porém, se mantém em um patamar historicamente elevado desde o início da guerra, contribuindo para a alta da inflação global.