Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.288,34
    -256,16 (-0,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

"Bolsa das Favelas" passa a conectar investidores e empreendedores

·2 min de leitura
***ARQUIVO***Sao Paulo, , BRASIL, 15-09-2021:  Vista aérea da favela de Paraisópolis, em São Paulo (Foto: Eduardo Knapp/ Folhapress)
***ARQUIVO***Sao Paulo, , BRASIL, 15-09-2021: Vista aérea da favela de Paraisópolis, em São Paulo (Foto: Eduardo Knapp/ Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A partir desta sexta-feira (19), os investidores passam a ter uma nova alternativa para alocar parte de seu capital, com a estreia no mercado brasileiro da "Bolsa das Favelas".

Resultado de uma parceria entre a associação G10 Favelas, que reúne as maiores favelas do país, e a plataforma digital DIVIohub, o projeto vai permitir que investidores aloquem parte de seu capital em negócios privados gestados dentro das favelas.

A nova Bolsa do mercado inicia suas atividades com a oferta de dois negócios: o Favela Brasil Express e o G10 Bank.

O G10 Bank nasceu neste ano e pretende ser um banco digital dedicado a financiar microempreendedores das comunidades. Já a Favela Brasil Express tem a proposta de atuar onde aplicativos convencionais não chegam, atendendo oito favelas espalhadas pelo Brasil, como Paraisópolis, em São Paulo, e Rocinha, no Rio de Janeiro.

O tíquete inicial é de R$ 10, e o investimento será operacionalizado por meio da emissão de um título chamado "DIVI", que concede ao investidor o direito a uma participação nos negócios, com a previsão de receber rendimentos baseados em receitas ou lucros.

Pelas características da operação, o detentor do ativo também poderá negociá-lo com outros investidores sem a intermediação de terceiros ou também por meio da plataforma.

A DIVIohub tem a permissão da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) para atuar no mercado como plataforma eletrônica de investimento participativo.

"Todo mundo vai poder ser dono de um pedacinho de um projeto do G10 Favelas e receber de volta rendimentos por isso", disse o presidente da DIVIohub, Ricardo Wendel, em nota.

Ele acrescentou que a remuneração obtida pela empresa com a operação será doada ao G10 Favelas para a compra de cestas básicas.

"Estamos comemorando o Dia da Favela, e nada mais representativo do que mostrarmos todo nosso potencial de negócios que, não apenas geram renda e emprego para as pessoas da favela, mas também vão gerar rendimento para qualquer um que queira ser nosso sócio", afirmou o presidente do G10 Favelas, Gilson Rodrigues, referindo-se à data comemorada no dia 4 de novembro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos