Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.909,03
    -129,08 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.867,15
    +618,13 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,94
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.836,20
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    55.623,22
    -2.517,74 (-4,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.468,19
    -93,11 (-5,96%)
     
  • S&P500

    4.188,43
    -44,17 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    34.742,82
    -34,94 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.123,68
    -6,03 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    28.595,66
    -14,99 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    29.518,34
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.340,25
    -16,50 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3621
    +0,0219 (+0,35%)
     

Bolsa cai e perde os 120 mil pontos; dólar sobe para R$ 5,46

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ibovespa fechou esta terça-feira (27) em queda de 1%, a 119.388 pontos. O dólar teve alta de 0,22%, a R$ 5,4610.

Segundo analistas, a demissão de Waldery Rodrigues do ministério da Economia pode sinalizar uma mudança para um viés mais político da pasta. Outro ponto que contribuiu com o viés negativo do mercado local foi a CPI da Covid-19, em andamento no Congresso.

Já as ações preferenciais da Petrobras recuaram 2,86% antes da divulgação do relatório de produção do primeiro trimestre de 2021, contribuindo para a queda do Ibovespa.

A Vale subiu 1,43%, após a mineradora divulgar na noite da véspera lucro líquido de US$ 5,5 bilhões no primeiro trimestre, ante US$ 239 milhões na mesma etapa de 2020, com apoio da alta dos preços do minério de ferro.

Itaúsa recuou 2,14% após a holding dona do Itaú Unibanco anunciar a compra de 8,53% da empresa de saneamento básico Aegea por R$ 1,3 bilhão.

Após saltar 26% na véspera com o anúncio de acordo para fusão com o Grupo Soma, a Hering caiu 5,17%. Nesta manhã, a Arezzo&Co, que teve uma proposta recusada pela Cia Hering na semana passada, informou que não fará uma nova e suas ações fecharam em baixa de 0,6%.

JBS caiu 5%, enquanto BRF perdeu 5,91%. Em relatório com previsões para balanços do primeiro trimestre de empresas de alimentos, o BTG Pactual avaliou que a BRF deve ter maiores pressões sobre margens, devido ao aumento de preços de insumos como o milho. A previsão para JBS é positiva, embora a ação esteja já em níveis históricos.