Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.358,59
    +15,34 (+0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Bolsa cai e dólar sobe com Americanas e desconfiança sobre política fiscal do governo Lula

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Bolsa fechou em baixa, enquanto dólar e juros subiram nesta segunda-feira (16), com os investidores reagindo ao noticiário da Americanas durante o fim de semana e à informação de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) quer dar um reajuste maior ao salário mínimo.

O Ibovespa fechou o dia com queda de 1,54%. a 109.212 pontos O dólar comercial à vista subiu 0,78% nesta segunda, a R$ 5,147.

Os contratos de juros fecharam em alta, com o vencimento em 2024 subindo de 13,44% no fechamento da última sexta-feira (13) para 13,54%. Para 2025, a taxa subiu de 12,41% para 12,63%. Para 2027, o avanço era de 12,20% para 12,48%.

A ação ordinária da Americanas caiu 38,41% nesta segunda, a R$ 1,94, depois de ensaiar uma recuperação parcial na última sexta-feira (13), quando subiu mais de 15%.

Pouco depois do fechamento do mercado na última sexta, foi tornado público o pedido de proteção concedido pela Justiça à Americanas, para impedir a cobrança imediata de dívidas pelos credores. E no fim de semana, o BTG Pactual contestou essa proteção, alegando que as dificuldades da empresa não têm origem operacional, mas são fruto de fraudes contábeis.

E os problemas da varejista impactam também os bancos, já que todos os gigantes do setor são credores, e suas ações têm peso importante no Ibovespa, como explica João Negrão, assessor de investimentos da SVN.

"Isso ainda toma conta do mercado. Ainda vamos ver como isso impacta os fundos de investimentos em ações, os fundos de renda fixa que têm títulos emitidos pela Americanas", afirma Negrão.

Entre os bancos, as ações preferenciais do Bradesco caíram 3,06%, e as ordinárias fecharam em baixa de 2,21%. As preferenciais do Itaú Unibanco recuaram 1,08%, e as Units do Santander Brasil tiveram queda de 4,41%. As Units do BTG Pactual recuaram 3,37%.

Gabriel Meira, sócio e especialista da Valor Investimentos, cita um grande risco para os bancos e para os fundos de investimentos. "Mercado está bastante receoso com o efeito sistêmico da situação da Americanas."

As outras grandes varejistas listadas na Bolsa fecharam em alta, com as ordinárias de Magazine Luiza e Via subindo 12,24% e 10,54%, respectivamente.

Meira cita ainda a notícia que circula no mercado de que o presidente Lula avalia aumentar o salário mínimo para além dos R$ 1.320,00 já previstos no Orçamento para 2023.

Além disso, agentes de mercado mencionaram declarações de autoridades do governo sobre a intenção de não aumentar o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). A meta, segundo o vice-presidente e ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Geraldo Alckmin, é extinguir o imposto.

As declarações pioraram ainda mais a percepção sobre a economia brasileira, depois que o boletim Focus do Banco Central, divulgado nesta segunda, trouxe uma piora nas projeções de economistas para inflação e juros para este ano pelos economistas.

Vale e siderúrgicas também caíram, e pela sua relevância, contribuíram para o dia negativo no mercado de ações. O governo da China se reuniu com representantes de grandes empresas, e advertiu sobre a divulgação de informações, o que traz novos receios de interferência pública no setor privado.