Mercado fechará em 6 h 19 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,21
    -0,26 (-0,33%)
     
  • OURO

    1.895,00
    +4,30 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    22.638,96
    -548,49 (-2,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    521,61
    -15,28 (-2,85%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.943,38
    +58,21 (+0,74%)
     
  • HANG SENG

    21.624,36
    +340,84 (+1,60%)
     
  • NIKKEI

    27.584,35
    -22,11 (-0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.689,50
    +144,25 (+1,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6183
    +0,0509 (+0,91%)
     

Bolsa cai e dólar sobe após presidente Lula voltar a questionar política de juros do Banco Central

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mãos segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 24.01.2019 - Still de mãos segurando cédulas de dólar. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar opera em alta e a Bolsa em queda no início do pregão desta sexta-feira (20), com as declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) questionando a meta de inflação atual, e rumores de que o governo pretende iniciar uma mudança de perfil na diretoria do Banco Central.

Às 11h15, o Ibovespa opera em baixa de 0,81%, aos 112.006 pontos. O dólar comercial à vista subia 1,04% ante o real, para R$ 5,223.

Os juros subiam no mesmo horário, com mais intensidade nos vencimentos mais longos. Os contratos para 2024 tinham alta de 13,48% ao ano no fechamento desta quinta-feira (19) para 13,51%. No vencimento para 2025, a taxa subia de 12,61% para 12,74%. Para 2027, os juros avançavam de 12,53% para 12,75%.

Nesta quinta-feira, os investidores já haviam reagido às críticas do presidente Lula sobre a independência do Banco Central e às metas de inflação, feitas na noite de quarta-feira (18). Mas as declarações do ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, negando qualquer predisposição do governo de mexer no BC, deu fôlego à Bolsa e diminuiu o ritmo de alta do dólar.

No início desta sexta-feira, com a continuidade do tom crítico do presidente Lula às políticas de juros do BC, os investidores elevam a cautela. Em seu relatório matinal, a Guide Investimentos cita os rumores de que o governo quer "mudar a cara" do Copom (Comitê de Política Monetária) a partir da substituição de Bruno Serra, diretor que deixará o cargo em fevereiro.

A Mirae Asset afirma que a intervenção do ministro Padilha ontem não teve efeito prático. "Lula, com a verve afiada, segue reclamando da meta de inflação, que pela leitura dele, está muito baixa para o contexto atual", diz a corretora em relatório.

Entre as ações, hoje é o último dia de negociação da ação ordinária da Americanas como parte do Ibovespa. Às 11h10, o papel subia 17%, cotado a R$ 1,17, e estava em leilão. Ontem, a ação fechou o dia valendo R$ 1,00, depois de realizar o pedido de recuperação judicial.

Nesta quinta (19), a Bolsa fechou em alta impulsionada pela Petrobras, e também após o ministro da Relações Institucionais, Alexandre Padilha, negar que o governo tenha predisposição de mexer na independência do Banco Central, o que levou dólar e juros a fecharem mais perto da estabilidade.

O Ibovespa fechou em alta de 0,62%, aos 112.921 pontos. O dólar comercial à vista fechou com avanço de 0,15%, a R$ 5,169, depois de atingir R$ 5,25 na máxima do dia.