Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,27
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.866,60
    -1,00 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.067,43
    -2.679,61 (-5,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.195,01
    -2,91 (-0,24%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.292,75
    -10,75 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4106
    +0,0007 (+0,01%)
     

Bolsa cai com incerteza sobre rumo da política fiscal

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Movimentação de pessoas pela Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Alessandro Shinoda/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Movimentação de pessoas pela Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Alessandro Shinoda/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Bolsa de Valores brasileira caía 0,35% perto das 11h25, aos 118.385 pontos, com os investidores ainda atentos ao desenrolar do Orçamento. No exterior, apenas Dow Jones tinha perdas de 0,33%. S&P e Nasdaq avançavam 0,11% e 0,65%, respectivamente.

O dólar, por sua vez, mostrava sessão volátil. A moeda oscilava entre altas e baixas já nas primeiras horas da manhã. Perto das 11h27, subia 0,08%, a R$ 5,7300.

A volatilidade vinha em reação a dados de inflação nos EUA divulgados nesta terça-feira (13) e também diante da persistente incerteza sobre o rumo da política fiscal doméstica.

Apesar da influência do movimento externo, analistas reiteram que a deterioração do cenário fiscal doméstico é o principal fator a manter o real depreciado.

O real teve o pior desempenho global na segunda-feira, quando o dólar fechou em alta de 0,90%, a R$ 5,7258, após notícias de que Paulo Guedes e o Ministério da Economia, em meio a pressões do Congresso sobre o Orçamento, estariam estudando a criação de uma PEC que abrigue gastos extraordinários, como medidas de apoio a emprego e recursos da Saúde, deixando essas despesas fora do teto de gastos.

Operadores têm repetido que, com tantos riscos em volta, o mercado tem evitado elevar posições, o que reduz a liquidez e deixa os negócios mais suscetíveis a vaivém.

A incerteza sobre a política monetária tampouco tem ajudado o câmbio. Quase metade dos gestores na América Latina consultados pelo Bank of America calcula que uma Selic entre 5,00% e 6,75% ao fim do ano conseguiria evitar depreciação adicional do real.

O juro nominal está em 2,75%, e o mercado projeta taxa de 5,25% no término de 2021.

A sondagem do BofA mostrou ainda que 75% dos investidores consultados esperam que o dólar finalize o ano abaixo de R$ 5,60.