Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.590,15
    -606,70 (-1,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Bolsa cai 2,28% após aprovação da reforma do IR

·2 minuto de leitura

A aprovação do projeto de lei que reforma o Imposto de Renda (IR) pela Câmara dos Deputados derrubou a bolsa para o nível mais baixo em cinco meses. O dólar não conseguiu aproveitar o clima favorável no exterior e fechou estável a R$ 5,18.

O índice Ibovespa, da B3, encerrou a quinta-feira (2) aos 116.677 pontos, com queda de 2,28%. Com o maior recuo diário desde 30 de julho, quando tinha caído 3,08%, o indicador está no menor nível desde 1º de abril (115.253 pontos). A queda foi puxada principalmente por ações de bancos.

O mercado de câmbio teve um dia de mais tranquilidade. O dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 5,183, praticamente estável em relação à cotação de R$ 5,182 registrada no fechamento de ontem (1º). Beneficiada pelo clima no mercado internacional, a moeda norte-americana chegou a cair para R$ 5,14 por volta das 12h, mas as instabilidades locais fizeram o recuo perder força durante a tarde.

A criação de uma alíquota de 15% sobre os dividendos (parcela do lucro das empresas distribuídas aos sócios e acionistas) criou tensões sobre o mercado financeiro, principalmente sobre os bancos. O fim do benefício dos juros sobre capital próprio acaba com um instrumento usado por grandes empresas, principalmente do setor financeiro, para reduzir o Imposto de Renda a pagar.

A concessão de outros benefícios no texto aprovado, com a derrubada de restrições para a declaração simplificada do Imposto de Renda, a correção parcial da tabela do IR e a manutenção de benefícios fiscais, aumentou os receios de que haja perda de arrecadação nos próximos anos.

No mercado externo, o dólar continua caindo perante as principais moedas por causa de dados recentes que mostram a desaceleração da economia norte-americana. O atraso na recuperação da crise econômica reduz as expectativas de que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) antecipe a retirada dos estímulos monetários concedidos durante a pandemia de covid-19.

* Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos