Mercado abrirá em 2 h 41 min
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,77
    +0,62 (+0,91%)
     
  • OURO

    1.812,90
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    38.128,14
    +375,75 (+1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    942,88
    +16,11 (+1,74%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -1,54 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.110,25
    +36,75 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1213
    +0,0030 (+0,05%)
     

Bolsa cai 1,97% com apresentação de proposta de tributar dividendos

·2 minuto de leitura

Num dia de turbulências no mercado financeiro, a bolsa caiu quase 2% e reverteu a alta acumulada na semana. O dólar fechou em leve alta, depois de encostar em R$ 5 no meio da sessão.

O índice Ibovespa, da B3, encerrou esta sexta-feira (25) aos 127.256 pontos, com recuo de 1,97%. O indicador iniciou o dia com leve alta, mas passou a desabar após a apresentação da proposta da segunda fase da reforma tributária, enviada hoje pela equipe econômica à Câmara dos Deputados.

O indicador, que acumulava alta de 0,86% de segunda-feira (21) até ontem (24), fechou a semana com queda de 0,9%.

O dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 4,938, com alta de R$ 0,033 (+0,67%). A moeda começou o dia próxima da estabilidade, mas passou a subir após o anúncio da decisão de taxar dividendos em 20%. Na máxima do dia, por volta das 15h30, a cotação chegou a R$ 4,97, mas desacelerou perto do fim da sessão.

Apesar da alta de hoje, a divisa encerrou a semana com queda de 2,58%. Em junho, o recuo acumulado chega a 5,5%.

A proposta de tributar em 20% de Imposto de Renda a distribuição de dividendos (parcela dos lucros das empresas distribuídas aos acionistas e sócios) e de encerrar a distribuição de juros sobre capital próprio provocou instabilidade no mercado local. A tributação levará o mercado a rever os preços dos ativos nas próximas semanas.

O cenário externo também pressionou o mercado global. A divulgação de que a inflação ao consumidor nos Estados Unidos atingiu 3,4% em maio na base anual (quando o índice de um mês é projetado para os 12 meses seguintes) dividiu os investidores. Apesar de o número ter vindo abaixo das projeções, a inflação registrou a elevação mais rápida para meses de maio desde 1990.

A inflação alta nos Estados Unidos aumenta a possibilidade de que o Federal Reserve (Banco Central norte-americano) eleve os juros antes do fim de 2022. Taxas mais altas em economias avançadas pressionam o dólar e a bolsa em países emergentes, como o Brasil.

* Com informações da Reuters

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos