Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    -0,12 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.785,30
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    57.194,39
    +2.438,02 (+4,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.469,50
    +64,19 (+4,57%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.647,97
    +229,99 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.345,55
    +532,92 (+1,85%)
     
  • NASDAQ

    13.522,75
    +31,75 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4272
    +0,0003 (+0,00%)
     

Bolsa cai 0,72% em véspera de feriado

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Bolsa de Valores brasileira encerrou a sessão desta terça-feira (20), véspera de feriado, em queda de 0,72%, aos 120.061 pontos. A queda do índice veio na esteira dos mercados internacionais e também refletiu certa realização de lucros de pregões anteriores, depois de a Bolsa brasileira ter registrado três semanas consecutivas de ganhos. No exterior, os índices americanos Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq Composite encerraram esta terça em quedas de 0,75%, 0,68% e 0,92%, respectivamente. O Euro Stoxx 50, um dos principais índices europeus, encerrou o pregão com queda de 1,98%. Entre os destaques do dia, GPA subiu 8,92% na sessão desta terça, com os investidores animados sobre a potencial operação envolvendo a Cnova, na qual o grupo detém participação. A alta roubou os holofotes dos papéis do Carrefour, que subiram 3,29% após a companhia ter divulgado aumento de 15,1% nas vendas do primeiro trimestre na noite de segunda (19). Do lado negativo, Vale caiu 1,46% após alta de 14,2% na produção de minério de ferro no primeiro trimestre, enquanto as vendas subiram quase 15%. O dólar, por sua vez, registrou queda de 0,10%, a R$ 5,5470, com o dia pior nos mercados externos servindo de argumento para uma pausa, depois de a moeda cair expressivamente por cinco sessões e fechar, na véspera, na mínima em um mês. As cinco quedas anteriores do dólar no Brasil ocorreram na esteira de expectativas de algum desfecho menos heterodoxo para o Orçamento. Na noite de segunda-feira, o Congresso Nacional aprovou um projeto de lei que altera a LDO e traz ajustes, com o aval do governo, para permitir a controversa sanção do Orçamento deste ano. O texto, que abre espaço para a exclusão do teto de gastos de despesas com programas para o enfrentamento à pandemia, seguirá para a sanção do presidente Jair Bolsonaro.