Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,23
    +0,35 (+0,49%)
     
  • OURO

    1.868,60
    +2,70 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    40.369,86
    +1.293,34 (+3,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.010,44
    +41,60 (+4,29%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.410,70
    +248,90 (+0,85%)
     
  • NASDAQ

    14.149,25
    +24,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1447
    +0,0132 (+0,22%)
     

Bolsa bate recorde e dólar cai para menor nível desde janeiro

·2 minuto de leitura

Num dia de otimismo no mercado financeiro internacional, a bolsa de valores recuperou-se das quedas recentes e conseguiu superar o nível recorde registrado no início do ano. O dólar aproximou-se de R$ 5,20 e encerrou no menor nível em mais de quatro meses.

O índice Ibovespa, da B3, encerrou esta sexta-feira (28) aos 125.561 pontos, com alta de 0,96%. O indicador iniciou o dia próximo da estabilidade, mas disparou depois de a agência de classificação de risco JPMorgan melhorar as recomendações de compras das ações da Petrobras.

Os papéis ordinários (com voto em assembleia de acionistas) subiram 5,78%. As ações preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) valorizaram-se 4,17%. Como os papéis da Petrobras são os mais negociados no Ibovespa, têm peso significativo no indicador.

O Ibovespa está no maior nível desde 8 de janeiro deste ano, quando tinha fechado aos 125.077 pontos. O indicador acumula alta de 5,7% em maio e de 5,5% em 2021.

Câmbio

No mercado de câmbio, o dólar comercial fechou a sexta-feira vendido a R$ 5,212, com recuo de R$ 0,043 (-0,82%) e no menor valor desde 14 de janeiro. A cotação abriu próxima da estabilidade, mas passou a cair após a abertura dos negócios nos Estados Unidos. A divisa caiu 2,63% na semana e acumula queda de 3,99% em maio. Em 2021, o dólar sobe apenas 0,45%.

Apesar da alta da inflação norte-americana em abril, que reforça a expectativa de um aumento de juros na maior economia do planeta em 2022, a injeção de US$ 6 trilhões em gastos públicos a ser anunciada hoje pelo presidente Joe Biden contribuiu para a queda do dólar em todo o planeta. Mais dólares circulando no mundo reduzem a cotação da moeda.

No Brasil, a divulgação de que o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) acelerou em abril, aumentou as apostas de que o Banco Central brasileiro continuará a elevar a taxa Selic (juros básicos da economia) nas próximas reuniões. Juros mais altos no Brasil estimulam a entrada de capitais externos, puxando para baixo a cotação do dólar.

* Com informações da Reuters