Mercado fechará em 1 h 54 min
  • BOVESPA

    111.149,96
    -923,59 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.522,08
    -496,83 (-0,90%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,36
    -0,05 (-0,07%)
     
  • OURO

    1.930,30
    -12,50 (-0,64%)
     
  • BTC-USD

    23.834,10
    +831,25 (+3,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    544,28
    -1,04 (-0,19%)
     
  • S&P500

    4.170,82
    +51,61 (+1,25%)
     
  • DOW JONES

    33.938,47
    -154,49 (-0,45%)
     
  • FTSE

    7.820,16
    +59,05 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    21.958,36
    -113,82 (-0,52%)
     
  • NIKKEI

    27.402,05
    +55,17 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    12.792,75
    +378,50 (+3,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4761
    -0,0783 (-1,41%)
     

Bolsa abre em queda e dólar em alta com bancos e preocupações com a economia

**Arquivo**SÃO PAULO, SP, BRASIL, 05-09-2013: Investidores durante evento do mercado de ações em São Paulo (SP). (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)
**Arquivo**SÃO PAULO, SP, BRASIL, 05-09-2013: Investidores durante evento do mercado de ações em São Paulo (SP). (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Bolsa registra baixa e o dólar está em alta frente ao real no começo desta sexta-feira (13), com a divulgação de balanços de grandes bancos nos Estados Unidos e preocupações com o cenário econômico, após o pacote fiscal anunciado nesta quinta pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

Às 11h23, o Ibovespa tinha queda de 1,05% a 11.671 pontos. O dólar comercial à vista subia 0,19% a R$ 5,109, depois de fechar abaixo de R$ 5,10 nesta quinta-feira.

Os juros começam o dia mais próximos da estabilidade. Os contratos com vencimento em 2024 sobem de 13,45% no fechamento desta quinta para 13,47% às 11h10. Para 2025, passa de 12,40% para 12,45%. Nos contratos de 2027, de 12,11% para 12,20%.

Os bancos, que têm peso importante no Ibovespa, refletem a divulgação de balanços nos Estados Unidos referentes ao quarto trimestre de 2022. JP Morgan, Bank of America e Wells Fargo anunciaram seus números, que dão sinais de uma desaceleração na economia americana.

As ações preferenciais do Itaú Unibanco recuavam 1,50% às 11h25. As preferenciais e ordinárias do Bradesco recuavam 1,52% e 1,07%, respectivamente. As ordinárias do Banco do Brasil tinham queda 0,56%.

Outro ponto de atenção do mercado está na economia, depois do pacote fiscal apresentado nesta quinta pelo ministro Haddad.

Para a Guide Investimentos, o pacote não trouxe grandes surpresas, e as medidas estão longe de serem suficientes para garantir a saúde fiscal do país no longo prazo.

O Itaú Unibanco revisou algumas de suas projeções para a economia brasileira nesta sexta. O banco espera que o PIB de 2022 aponte crescimento de 2,8%, ante previsão anterior de 3%. Para 2023, o crescimento esperado é de 0,9%.

A inflação deve se manter, em 2023, no mesmo patamar do ano passado, fechando em 5,8%, segundo o Itaú. A previsão para déficit primário melhorou de 1,9% do PIB para 1,6%, bem acima da meta estipulada pelo Ministério da Fazenda, entre 0,5% 1,0% do PIB.

Na quinta-feira (12), o dólar teve um dia de forte queda frente ao real. A moeda americana fechou em baixa de 1,58%, cotada a R$ 5,0990 na venda.

O câmbio foi influenciado por dados do governo dos Estados Unidos mostraram que a inflação no país está perdendo fôlego, com o índice de preços ao consumidor marcando uma alta de 6,5% até dezembro, o menor patamar em quase um ano.

Houve desvalorização generalizada do dólar frente a outras divisas nesta quinta, sendo a brasileira a ocupar as primeiras posições entre aquelas que atraíram mais investidores.

O índice parâmetro da Bolsa de Valores, o Ibovespa, fechou a sessão em queda de 0,59%, aos 111.850 pontos.

As ações ordinárias da Americanas despencaram quase 80% após a divulgação de um escândalo contábil da empresa, uma das principais do segmento varejista listadas na Bolsa de Valores brasileira. Uma descoberta preliminar de cerca de R$ 20 bilhões em "inconsistências" no balanço da companhia levou às renúncias do presidente e do diretor financeiro.

As negociações dos papéis da Americanas na Bolsa de Valores ficaram suspensas durante boa parte do dia, e foram retomadas à tarde, com algumas interrupções pontuais. Essa suspensão, chamada de leilão, é um mecanismo de proteção, acionado quando há oscilações fora do comum.

O papel terminou em queda de 77%, valendo R$ 2,72. Na véspera, fechou cotado a R$ 12. É o maior tombo diário já sofrido entre as ações que atualmente fazem fazem parte do Ibovespa, segundo dados da plataforma de investidores TradeMap, levantados a partir de 2008. Empresas que não fazem parte da composição atual do indicador de referência da Bolsa já tiveram quedas maiores.

A gigante no varejo nacional perdeu em um dia cerca de R$ 8,4 bilhões em valor de mercado, também segundo o TradeMap. É uma quantia equivalente a mais do que o dobro do valor da sua concorrente, a Via Varejo, dona da Casas Bahia, que vale R$ 3,9 bilhões.

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) abriu três processos administrativos para investigar o caso.

A crise envolvendo a Americanas teve início da véspera, após o fechamento do mercado, com o comunicado de que Sergio Rial deixava o comando da empresa dez dias após assumir o cargo. Rial, que ficou seis anos à frente do Santander, substituiu Miguel Gutierrez, presidente da Americanas por cerca de duas décadas. O diretor financeiro Andre Covre também deixou a função na qual havia acabado de ingressar.

Em 22 de agosto de 2022, no primeiro dia de negociações após o anúncio Rial como presidente da Americana, a ação ordinária da companhia valia R$ 15,96.