Mercado fechará em 5 h 57 min
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,32 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -909,02 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,91
    -0,23 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.838,30
    +6,50 (+0,35%)
     
  • BTC-USD

    33.346,62
    -2.448,06 (-6,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    760,28
    +517,60 (+213,29%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,03 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.397,12
    -97,01 (-1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.656,46
    -309,09 (-1,24%)
     
  • NIKKEI

    27.588,37
    +66,11 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    14.288,25
    -138,25 (-0,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1833
    -0,0067 (-0,11%)
     

Bolívia tem recorde de casos de covid por 'relaxamento', diz governo

·2 min de leitura
Mulher faz teste de covid-19 em Santa Cruz, Bolívia, em 29 de dezembro de 2021 (AFP/Rodrigo URZAGASTI)

A Bolívia alcançou um recorde histórico de 4.934 contágios de covid-19 em 24 horas devido, principalmente, ao "relaxamento" das medidas de biossegurança, declarou o governo.

O aumento dos casos positivos levou várias cidades a cancelar reuniões públicas e comemorações de fim de ano.

"Há vários fatores incidindo" para o aumento de infecções, declarou o ministro da Saúde, Jeyson Auza. "Um deles é o relaxamento relativo às medidas de biossegurança", acrescentou.

O governo exige o uso de máscaras, distanciamento de pelo menos um metro entre as pessoas em lugares públicos, além da higiene e desinfecção frequente das mãos.

O país também se encontra em plena campanha de vacinação gratuita e voluntária. Nesse sentido, o certificado de imunização será exigido a partir de janeiro para entrada em lugares públicos.

"Temos que aumentar as medidas de biossegurança" para evitar o descontrole da doença, advertiu o ministro Auza em entrevista coletiva.

A Bolívia ainda não confirmou a presença da variante ômicron no país, que já foi detectada nos vizinhos Argentina, Chile e Brasil.

No departamento de Santa Cruz, o mais populoso e desenvolvido da Bolívia, o número de doentes disparou, com 2.378 casos positivos nesta terça-feira, mais de 48% do total nacional (4.934).

Os serviços de saúde dessa região qualificaram o surto como "a pior tempestade" de contágio desde o início da pandemia, em março de 2020. Outros departamentos, como La Paz e Cochabamba, também registram aumento nos casos.

As administrações dos municípios mais populosos do país - La Paz, El Alto, Cochabamba e Santa Cruz – decidiram suspender todas as reuniões públicas de Ano Novo por conta do crescimento da doença.

"Primeiro vem a vida, depois as festas, e por isso decidimos suspender as comemorações de Ano Novo", afirmou o prefeito de La Paz, Iván Arias.

O governo de Santa Cruz, por sua vez, também proibiu a venda de bebidas alcoólicas entre 30 de dezembro e 3 de janeiro.

Com 11,5 milhões de habitantes, a Bolívia acumula mais de 585.620 casos positivos de covid-19 e mais de 19.620 óbitos relacionados à doença.

jac/cjc/rpr/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos