Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,79
    +0,18 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.847,80
    -3,10 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    32.276,26
    -54,96 (-0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,51
    +4,18 (+0,65%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.654,01
    +15,16 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.715,43
    +169,25 (+0,59%)
     
  • NASDAQ

    13.555,25
    +69,75 (+0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5126
    +0,0018 (+0,03%)
     

Bolívia planeja campanha maciça de vacinação contra covid-19 no início de 2021

·2 minuto de leitura
Bolívia planeja vacinação para início de 2021

A Bolívia planeja lançar uma campanha maciça de vacinação contra a covid-19 durante o primeiro trimestre de 2021, antes de um eventual surto estimado para os meses seguintes, informou o Ministério da Saúde, de acordo com um comunicado de imprensa divulgado nesta quarta-feira(25). 

"No primeiro trimestre é o mais provável (vacinação). Estima-se que a segunda onda (de infecções) estará presente em nosso país entre março, abril e maio, por isso queremos nos apressar e poder proteger a população por meio da vacina", disse o ministro Edgar Pozo. 

Ele especificou que "estão analisando junto à comunidade internacional para adquirir vacinas eficazes e seguras para a população boliviana”, sem dar maiores detalhes. 

O governo que deixou o poder recentemente disse que concordou em adquirir as doses desenvolvidas pelo laboratório britânico AstraZeneca e pela Universidade de Oxford.

Na Bolívia, o coronavírus infectou mais de 144.000 pessoas desde março até o momento e deixou mais de 8.900 mortes. 

Teme-se que uma segunda onda chegue ao país, após a gradual desaceleração da quarentena nacional de saúde e um sério pico entre julho e agosto que saturou o sistema de saúde e funerárias. 

O atual presidente esquerdista Luis Arce pediu na terça-feira a manutenção das medidas de proteção, porque "o risco de contágio da covid-19 ainda está latente". 

O Serviço de Saúde Departamental da região de Santa Cruz (leste), a mais populosa do país, informou esta semana que registrou que a contaminação acelerou de cerca de 185 casos entre 8 e 14 de novembro para 233 entre 15 e 21 de novembro. 

A Bolívia ainda mantém suas fronteiras terrestres fechadas, uma das poucas medidas em vigor. 

Os voos estão em operação, o transporte público funciona normalmente, assim como as atividades bancárias, a indústria alimentícia e o comércio.

str-jac/llu/jc/cc