Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    18.132,01
    +363,96 (+2,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Bolívia foca em plano de austeridade como solução para crise

Jorgelina do Rosario
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Bolívia pretende controlar o déficit fiscal com um plano de austeridade econômica, em vez de depender totalmente da dívida externa, disse o ministro das Finanças, Marcelo Montenegro.

O novo governo socialista analisará de perto o mercado internacional de títulos de olho em oportunidades mais atraentes para fazer mais empréstimos em um mundo de taxas de juros baixas, disse Montenegro.

A chave para qualquer nova emissão de dívida é avaliar o portfólio de projetos nos quais investir. A recuperação das estatais de gás natural, de aviação e de telecomunicações deve ser o esforço principal para impulsionar o crescimento econômico, disse Montenegro em entrevista na sexta-feira à noite em La Paz.

“Um déficit fiscal é como um problema no joelho. Às vezes, você pode andar mancando, mas quando o problema é muito grande você nem consegue andar”, disse Montenegro. “O presidente enviou uma mensagem clara sobre austeridade e vamos seguir nessa direção.”

O Fundo Monetário Internacional prevê que o déficit fiscal do país subirá para 8,6% do PIB neste ano em relação a 7,2% em 2019.

O presidente Luis Arce venceu as eleições em outubro, marcando a volta ao poder dos socialistas na Bolívia, um ano depois de o líder Evo Morales ter saído do país em busca de exílio.

Embora a Bolívia planeje continuar pagando juros sobre os US$ 2 bilhões em títulos internacionais, Montenegro disse que buscará renegociar um período de carência de dois anos dos pagamentos a credores multilaterais como o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), o Banco Interamericano de Desenvolvimento e o Banco Mundial.

“Dois anos é um período em que podemos esperar uma recuperação econômica”, disse Montenegro. O governo da Bolívia deve US$ 7,2 bilhões a credores multilaterais, disse a Fitch Ratings no início deste ano, e US$ 1,2 bilhão a credores bilaterais, incluindo a China.

O governo recém-eleito avalia um contrato de venda de gás natural da Bolívia ao Brasil, que foi assinado no início de março sob o governo da então presidente interina Jeanine Áñez. Montenegro disse que algumas condições desse contrato são “totalmente adversas” para o país e, sem dar mais detalhes, disse que o ministro de Hidrocarbonetos do novo governo está em busca de uma solução.

O Ministério das Finanças também pretende defender a paridade cambial, pois não vê necessidade de desvalorização do boliviano.

O FMI projeta que economia da Bolívia deve encolher 7,9% neste ano. O país de 12 milhões de habitantes é o mais pobre da América do Sul depois da Venezuela.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.