Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,04 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    48.962,21
    -371,77 (-0,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,21 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,17 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -30,25 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Bolívia diz que grupo ligado a atentado no Haiti participou de trama contra presidente boliviano

·1 min de leitura
Presidente da Bolívia, Luis Arce, em La Paz

Por Daniel Ramos

LA PAZ (Reuters) - Os membros de um grupo envolvido no assassinato do então presidente haitiano, Jovenel Moise, em julho, haviam conspirado para assassinar o presidente da Bolívia, Luis Arce, em 2020, afirmou o ministro boliviano do Interior nesta segunda-feira.

O ministro Eduardo del Castillo disse em entrevista coletiva que o governo teve acesso a emails, gravações de áudio e dados de imigração e de hotéis que provariam o plano fracassado contra Arce, um socialista que chegou ao poder no ano passado após um período divisivo de governo interino de direita.

"Estamos falando sobre o fato de que, dias antes das eleições de outubro de 2020, paramilitares que depois iriam assassinar o presidente do Haiti e mercenários contratados... estavam na Bolívia", disse Del Castillo, mostrando alguns dos materiais.

"A intenção era acabar com a vida do presidente".

Del Castillo tornou alguns dos dados disponíveis à imprensa. A Reuters não conseguiu confirmar imediatamente suas acusações.

A polarização na Bolívia tem sido profunda desde 2019, quando o líder socialista Evo Morales venceu uma eleição acirrada para selar o que seria seu quarto mandato no poder, apesar de limitações ao número de mandatos possíveis e do resultado de um referendo, no qual a maioria votou contra sua candidatura.

A eleição foi anulada posteriormente após a Organização dos Estados Americanos (OEA) dizer que teria havido fraude eleitoral. Em meio a protestos generalizados, os militares retiraram o apoio a Morales, que renunciou e deixou o país, classificando o evento como um golpe de Estado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos