Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.886,10
    +357,13 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,39
    -1,28 (-2,04%)
     
  • OURO

    1.793,50
    +15,10 (+0,85%)
     
  • BTC-USD

    55.639,09
    +370,27 (+0,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.282,34
    +19,38 (+1,53%)
     
  • S&P500

    4.160,13
    +25,19 (+0,61%)
     
  • DOW JONES

    34.061,69
    +240,39 (+0,71%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.860,00
    +65,75 (+0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6984
    -0,0041 (-0,06%)
     

Bolívia começa a vacinar pacientes de risco contra a covid-19

·1 minuto de leitura
Uma mulher com problemas de saúde anteriores é inoculada contra COVID-19 com a vacina chinesa Sinopharm em Santa Cruz em 25 de fevereiro de 2021

A Bolívia iniciou nesta quinta-feira (25) a vacinação de pacientes com comorbidades contra a covid-19, quase um mês após ter começado a imunizar os profissionais de saúde.

“Com esta vacina nos sentimos seguros”, disse Alejandra Cruz Torres, que sofre de doença renal, a primeira a receber a vacina chinesa Sinopharm.

A Bolívia recebeu 500.000 doses da empresa farmacêutica chinesa na quarta-feira para mais de 200.000 profissionais de saúde. Uma parte deles, porém, irá para pessoas com patologias de risco, como doenças renais ou câncer.

Os primeiro grupo começou a ser vacinado no dia 29 de janeiro com um lote de 20 mil doses da russa Sputnik V e agora darão continuidade com a vacina chinesa.

Cada pessoa deve receber duas injeções, com 21 dias de intervalo.

“Estamos iniciando o plano geral de vacinação maciça para cada boliviano”, declarou o presidente Luis Arce, presente no evento.

A Bolívia é o segundo país da região a usar a vacina Sinopharm, depois do Peru.

La Paz receberá também mais 15,2 milhões de unidades: 5,2 milhões da Sputnik V e cerca de 10 milhões da britânica AstraZeneca/Oxford.

No caso da britânico, cinco milhões são por compra direta e a outra metade por meio do aparelho Covax da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O governo espera vacinar de forma gratuita e voluntariamente mais de sete milhões de pessoas.

Depois das pessoas com doenças de risco, serão vacinados aqueles com mais de 60 anos e, por fim, o restante da população adulta.

Com 11,5 milhões de habitantes, a Bolívia acumula 245.719 infecções confirmadas de covid-19 e 11.547 mortes.

jac/fj/yow/ap/mvv