Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -657,98 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,53 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    12.926,76
    +30,18 (+0,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,09 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,65 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,32 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6639
    +0,0538 (+0,81%)
     

Bolívia abre hospital exclusivo para grávidas com covid-19

·3 minutos de leitura
Bombeiro trabalha na desinfecção do Hospital da Criança em La Paz
Bombeiro trabalha na desinfecção do Hospital da Criança em La Paz

O Hospital da Mulher de La Paz reabriu suas portas, após duas semanas sem atendimentos devido a um contágio generalizado de coronavírus entre pacientes e funcionários, e agora funciona como um centro para grávidas com covid-19.

"Falamos com o Serviço Departamental de Saúde (de La Paz) para propor que precisávamos reestruturar o hospital, recuperar as pessoas e transformá-lo em um hospital-covid, exclusivamente para a atenção das mulheres grávidas", declarou à AFP o diretor do hospital, Yuri Pérez.

Em meados de agosto, o Hospital da Mulher registrou uma infecção generalizada da covid-19 que afetou a equipe. Com um número insuficiente de médicos, enfermeiras e equipe de apoio para atender os pacientes, precisou fechar imediatamente.

A causa desse contágio foi atribuída ao fato de que grande parte das mulheres que precisavam de atendimento médico tinham covid-19, mas eram assintomáticas. Foi detectado que havia 21 pacientes com o vírus.

O hospital fechou, foi desinfetado e reabriu para atender exclusivamente as grávidas com coronavírus.

Com 11 milhões de habitantes, a Bolívia vive uma fase crescente da pandemia, com 120.000 casos e mais de 7.000 mortos.

"Toda a emergência virá para cá em casos excepcionais, mas o hospital vai priorizar o atendimento para a proteção do binômio materno-fetal", afirmou a médica Débora Rodríguez, responsável pelo Serviço Departamental de Saúde de La Paz.

O hospital foi condicionado a enfrentar a pandemia e prevenir novas infecções.

Fitas amarelas coladas no chão demarcam os acessos às áreas de neonatologia e terapia intensiva (UTI). Cortinas de plástico transparente com gigantescos "X" em vermelho funcionam às vezes como paredes, proibindo a passagem para determinadas áreas e obrigando a circular por espaços higienizados.

Além disso, os profissionais de saúde do hospital receberam trajes de biossegurança para sua proteção. 

O hospital viveu momentos difíceis no início de agosto. A vida dos bebês prematuros correu risco pela escassez de oxigênio medicinal devido aos bloqueios nas estradas.

- "Poderei ter o meu bebê" -

Durante 12 dias, aliados do ex-presidente Evo Morales bloquearam importantes estradas do país para protestar pelo adiamento das eleições gerais, o que impediu a circulação de caminhões de alimentos e suprimentos médicos.

Durante o período de desinfecção, as gestantes foram transferidas para outros centros de saúde, embora nem todas tenham recebido um atendimento adequado, principalmente aquelas suspeitas de portar o vírus. 

Algumas futuras mães expressam sua confiança em um hospital especializado.

"Estou com covid-19. Acabaram de detectar no hospital La Paz e não quiseram me atender. Estou com risco. Graças à Deus o Hospital da Mulher está atendendo e poderei facilmente ter o meu bebê", conta Yoselín Quisbert.

Assim como ela, outras grávidas fazem filas nas portas do hospital à espera de receber uma ficha que lhes garantirá um atendimento especializado.

À beira das lágrimas, Marisol Huanc expressa sua preocupação diante da possibilidade de perder o filho que está para nascer. "O bebê já não está se movendo muito bem", disse. O hospital é sua única esperança. 

gbh/fj/rsr/dga/aa