Mercado abrirá em 6 h 49 min
  • BOVESPA

    106.924,18
    +1.236,18 (+1,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.579,90
    +270,60 (+0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,96
    -1,53 (-1,38%)
     
  • OURO

    1.806,10
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    29.968,59
    +208,56 (+0,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    672,70
    -8,41 (-1,23%)
     
  • S&P500

    4.023,89
    +93,81 (+2,39%)
     
  • DOW JONES

    32.196,66
    +466,36 (+1,47%)
     
  • FTSE

    7.418,15
    +184,81 (+2,55%)
     
  • HANG SENG

    19.961,69
    +62,92 (+0,32%)
     
  • NIKKEI

    26.546,64
    +118,99 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.313,75
    -69,00 (-0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2529
    -0,0062 (-0,12%)
     

Boicote à russos liderado por Yellen mostra declínio do G20

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- O principal clube econômico e financeiro do mundo pode estar irrevogavelmente quebrado.

O G20, concebido na década de 90 para reunir os maiores mercados desenvolvidos e emergentes em um único fórum para enfrentar os principais desafios globais, falhou nesta semana em emitir um comunicado conjunto após uma reunião de seus ministros das Finanças e chefes de bancos centrais em Washington.

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, também liderou o esvaziamento parcial de uma sessão que contava com oficiais russos, em protesto contra sua inclusão no evento após a invasão da Ucrânia por Moscou.

O G20 resistiu a tensões no passado, incluindo a oposição do governo Trump à linguagem sobre o protecionismo em declarações anteriores do grupo. Mas não está mais claro se EUA, China e Rússia compartilham os mesmos objetivos fundamentais - e o órgão corre o risco de não servir mais para lidar com problemas que vão desde crises de alimentos e de dívidas até mudanças climáticas.

“Nosso sistema de governança global e a capacidade de enfrentar os principais desafios globais foram abalados”, disse Mark Sobel, um ex-alto funcionário de assuntos internacionais do Departamento do Tesouro americano que agora é presidente nos EUA do Official Monetary and Financial Institutions Forum.

Um confronto vinha se formando desde o mês passado, quando o presidente dos EUA Joe Biden pediu que os russos, após o ataque, fossem excluídos do G20. Mas China e Indonésia, que detém a presidência rotativa do grupo, não concordaram.

‘Pergunta Profunda’

O ministro das finanças da Indonésia, Sri Mulyani Indrawati, disse em coletiva de imprensa na quarta-feira após a reunião dos chefes de finanças que o grupo “continua como um fórum principal para todos nós continuarmos a discutir e conversar sobre todas as questões”, apesar das tensões.

Mas o ex-secretário do Tesouro dos EUA, Lawrence Summers, que ajudou a criar o G20, diz que agora é uma “questão muito profunda” se o grupo mantém sua premissa original de interesses comum no desenvolvimento econômico mútuo e a determinação de resolver problemas em conjunto para promover esse esforço.

“Evidentemente, não é o objetivo da maioria dos outros membros do G20 apoiar o florescimento econômico da Rússia”, disse Summers, professor da Universidade de Harvard e colaborador pago da Bloomberg TV, no podcast Stephanomics.

Uma “arquitetura variável” poderia surgir, com diferentes fóruns apresentando participantes com mais em comum, mas com menos alcance, e fóruns maiores, onde há menos em comum, mas mais alcance, disse Summers.

Embora o G7, que reúne nações democráticas e desenvolvidas, permaneça como um fórum de longa data, não é grande e amplo o suficiente para abordar questões como insegurança alimentar e mudanças climáticas, disse Sobel. (O órgão incluiu a Rússia como G8 de 1998 até a invasão da Crimeia pelo país em 2014.)

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos