Mercado fechará em 5 h 20 min
  • BOVESPA

    110.051,03
    +649,62 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.799,46
    -434,91 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,89
    -1,04 (-1,35%)
     
  • OURO

    1.792,30
    +11,00 (+0,62%)
     
  • BTC-USD

    17.021,73
    -253,67 (-1,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,57
    -9,64 (-2,34%)
     
  • S&P500

    3.998,84
    -72,86 (-1,79%)
     
  • DOW JONES

    33.947,10
    -482,78 (-1,40%)
     
  • FTSE

    7.541,39
    -26,15 (-0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.441,18
    -77,11 (-0,40%)
     
  • NIKKEI

    27.885,87
    +65,47 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    11.824,00
    +18,25 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5251
    -0,0083 (-0,15%)
     

BofA vê risco em ações tech mesmo com inflação mais branda

(Bloomberg) -- O tão esperado recuo da inflação nos EUA deveria ser uma boa notícia para o setor de tecnologia, mas estrategistas do Bank of America não estão de acordo.

Apesar do fim do “choque inflacionário” – a principal narrativa do mercado de 2022 –, um forte aumento nos custos dos serviços e salariais ainda vai pesar sobre as chamadas ações de crescimento, alertaram estrategistas liderados por Michael Hartnett. A equipe do BofA espera que o grupo conhecido como FAANG mostre desempenho mais fraco nos próximos anos.

Em nota de 10 de novembro, o banco diz que a desaceleração da expansão de vários anos do setor de tecnologia e do FAANG “está apenas começando”.

O FAANG, grupo representado pelas letras iniciais do Facebook, controlado pela Meta Platforms, Amazon.com, Apple, Netflix e Alphabet, dona do Google, abrirá caminho para uma “nova liderança” de commodities, ações de valores small cap, industriais dos EUA, bancos europeus e recursos de mercados emergentes, disseram.

O BofA tem uma visão cautelosa, mesmo com a inflação mais leve do que a esperada, que levou o Nasdaq 100 a registrar seu melhor dia desde março de 2020. Ações de tecnologia - que tendem a ser impactadas por juros mais altos, uma vez que representam um desconto maior para o valor atual dos lucros futuros - foram atingidas neste ano pelo agressivo ciclo de aperto monetário do Fed para combater a inflação.

O relatório de preços ao consumidor era o dado mais esperado do mês, e investidores haviam adiado grandes apostas no período anterior à divulgação. Na semana até 9 de novembro - um dia antes do relatório - fundos de ações globais registraram saídas de US$ 4,6 bilhões, de acordo com o Bank of America, que cita dados da EPFR. Fundos dos EUA tiveram os primeiros resgates em cinco semanas.

No mesmo período, os investidores aplicaram US$ 3 bilhões em fundos globais de títulos e colocaram US$ 2,4 bilhões em posições em dinheiro.

Na Europa, fundos de ações mostraram saídas pela 39ª semana consecutiva. Por estilo de negociação, papéis de crescimento nos EUA e small cap receberam entradas, enquanto ações de valor e large caps sofreram resgates. Por setor, saúde e energia mostraram as maiores entradas, enquanto US$ 1 bilhão foi retirado de ações de tecnologia.

--Com a colaboração de Michael Msika.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.