Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.282,50
    -54,23 (-0,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

BofA vê novas mínimas para S&P 500 com ‘choque inflacionário’

(Bloomberg) -- O mercado de renda variável americano ainda não viu o pior da queda deste ano diante de uma inflação aquecida e um Federal Reserve agressivo, segundo o Bank of America.

O “choque inflacionário ainda não acabou” e uma recessão de lucros provavelmente levará as ações a novas mínimas, disse o estrategista do banco Michael Hartnett em nota.

O mercado está sob pressão novamente desde terça-feira, depois que o relatório de preços ao consumidor nos EUA mostrou inflação mais alta do que o esperado e precipitou o S&P 500 em sua maior queda diária desde junho de 2020.

A análise de Hartnett dos últimos mercados de baixa também mostra quedas médias de 37% do S&P 500, entre pico e mínima, ao longo de 289 dias. Isso sugere que o atual terminará em outubro com o índice de referência a 3.020 pontos, 23% abaixo de onde está agora, disse o estrategista.

“Novas máximas de yields equivalem a novas mínimas para ações”, acrescentou.

Hartnett não está sozinho em sua visão pessimista para as ações. A estrategista Sharon Bell do Goldman esta semana alertou contra buscar pechinchas, dizendo que as altas recentes não foram decisivas nem sustentáveis por um período mais longo. O Société Générale e Sanford C. Bernstein também disseram que as ações americanas estão sujeitas a novas mínimas antes do fim de um mercado de baixa que já apagou mais de US$ 7,8 trilhões do valor das empresas do S&P 500.

O otimista Marko Kolanovic do JPMorgan está no outro extremo. Ele disse na segunda-feira que a economia global ainda pode evitar uma forte recessão e que as perspectivas para as ações são positivas até o final do ano. Cathie Wood da Ark também aproveito a liquidação da terça-feira para ir às compras.

A próxima pista para os mercados virá da reunião de política monetária do Fed de 20 a 21 de setembro. Os investidores especulam se o banco central vai aumentar juros em 0,75 ponto percentual ou entregar um aumento ainda maior. Um aumento entre 0,75 e 1 ponto percentual já está precificado, disse Hartnett.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.